Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Ciclofaixa apagada em março amanhece pintada no Morumbi

Na via, foi escrita a frase 'nenhum cm a menos' e desenhada uma linha branca em alusão à ciclofaixa que havia no local

Juliana Diógenes, O Estado de S.Paulo

14 Maio 2017 | 15h22

SÃO PAULO - Uma ciclofaixa com um quilômetro de extensão que havia sido apagada em março no Morumbi, na zona sul da capital, amanheceu pintada neste domingo, 14. Uma frase foi escrita a frase "Nenhum cm (centímetro) a menos". Foi pintada também uma sinalização com tinta branca na lateral, em toda a extensão, segregando a ciclofaixa da faixa de rolamento.

A via fica na Rua Doutor Fausto de Almeida Prado Penteado e na Avenida Amarílis. Quando foi apagada em março, foram retiradas também as placas indicativas do local. A Prefeitura de São Paulo havia informado que a ciclofaixa estava em manutenção e que seria repintada. Dois meses depois, até este domingo, continuava com a camada de asfalto.  

O ciclista Alex Gomes, do blog São Paulo na Bike, do Estado, escreveu que um mês após a ciclofaixa havia sido pintada por um grupo de ciclistas, que desenharam bicicletas no asfalto como forma de manter o espaço de circulação demarcado. 

No início de abril, com a via ainda apagada, a Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo (Ciclocidade) entrou em contato com a Prefeitura Regional do Butantã e a Companhia de Engenharia do Tráfego (CET) cobrando a repintura da ciclofaixa. Segundo a entidade, os órgãos informaram à época que não havia previsão.

A Ciclocidade afirma ainda que enviou dois e-mails ao secretário municipal de Mobilidade e Transportes, Sérgio Avelleda, e à CET cobrando a repintura, em duas datas: 10 e 25 de abril. De acordo com a entidade, não houve resposta.

No dia 2 de maio, em ata publicada pela instituição, houve uma reunião da Câmara Temática de Bicicleta com Avelleda. No encontro, os cicloativistas cobraram a repintura da ciclofaixa e o secretário respondeu que traria uma posição na reunião seguinte da Câmara. 

Uma semana depois da reunião, no último dia 9, um ofício da Ciclocidade solicitou "com a maior brevidade possível" a pintura da via e recolocação de toda a sinalização cicloviária na Avenida Amarílis. 

"Trata-se de um equívoco que deveria ter sido reparado na mesma semana quando a remoção da infraestrutura foi revelada pela sociedade civil e pela imprensa. No entanto, mais de 1 mês já se passou, o espaço da ciclofaixa se transformou em estacionamento, e não tivemos retorno algum sobre prazos para esta reparação", diz a entidade no documento. 

Em resposta, a CET afirmou que a Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes (SMMT) iniciou um plano de "revitalização e revisão" das ciclovias com o objetivo de "garantir a convivência, com segurança, entre bicicletas e os demais veículos em São Paulo".

"A Secretaria tem realizado um amplo debate com ciclistas, comunidade local e com representantes da Prefeitura Regional para buscar as melhores alternativas. O resultado desse diálogo é o que definirá o projeto a ser adotado em cada ponto da cidade", informou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.