Ciclista morre atropelado na V. Leopoldina

Acidente aconteceu à tarde; motorista alegou que, ao fazer uma curva, não notou a bicicleta

MURILLO FERRARI , ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

09 Outubro 2012 | 03h04

Um ciclista morreu atropelado por um caminhão no cruzamento da Avenida Doutor Gastão Vidigal com a Rua Hassib Mofarrej, na Vila Leopoldina, zona oeste. O acidente aconteceu na tarde de ontem e o homem, que não portava documentos e não havia sido identificado até as 22h de ontem, morreu no local.

O caso foi registrado como homicídio culposo (sem intenção) na direção de veículo automotor e será investigado pelo 91.º Distrito Policial (Ceagesp).

No depoimento, o motorista C. X. L., de 54 anos, declarou para a polícia que fez a curva e não percebeu o atropelamento. Uma pessoa na rua teria avisado sobre o acidente. "Temos pelo menos uma testemunha e imagens que serão usadas nas investigações", explica o delegado plantonista da Central de Flagrantes II da 3.ª Seccional, Rodrigo Alasmar.

O gerente de TI de uma empresa nas imediações do acidente, Diego Guerra, de 22 anos, viu o atropelamento por câmeras de segurança e disse que foi tudo muito "rápido". "É difícil entender quem estava errado", opina.

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) informou que atendeu a ocorrência por volta das 12h35. Uma faixa da via permaneceu bloqueada por cerca de 1 hora e foi liberada depois que o corpo foi removido para o Instituto Médico-Legal (IML).

Ghost Bike. Ciclistas fizeram na noite de ontem um protesto no local do acidente. "Foi instalada uma ghost bike - uma bicicleta pintada na cor branca -, para não deixar essa morte cair no esquecimento e para lembrar que ali uma vida se perdeu", explica o cicloativista e coordenador do site Vá de Bike!, William Cruz. "A morte de uma pessoa não pode ser tratada como uma coisa comum, que as pessoas se acostumam."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.