Ciclista deve ter cuidado com acidentes e roubos

Associação critica forma como ciclovias são pensadas e afirma que automóvel ainda é prioridade na região

, O Estado de S.Paulo

09 Janeiro 2011 | 00h00

Pedalar no litoral de São Paulo envolve alguns cuidados. A proximidade entre a bicicleta e os demais veículos nos acessos às ciclovias e trechos onde elas não existem propiciam acidentes. Em Santos, dez ciclistas morreram em 2009.

Também no ano passado, roubos de bicicletas foram registrados no Guarujá, ao longo da Rodovia Cônego Domênico Rangoni, segundo o delegado assistente da delegacia sede do Guarujá, Luiz Ricardo Júnior. A via é usada por ciclistas que moram longe do centro e também por aqueles que pedalam pela Rodovia Rio-Santos. O delegado não precisou o número de ocorrências.

Para Guilherme Moraes, da associação de ciclistas Instituto Ciclo BR, as ciclovias estão sendo projetadas com a visão de tirá-las da frente dos carros e não de criar um sistema alternativo eficiente de transporte.

Ele critica, por exemplo, o fato de a ligação entre as ciclovias de Santos e São Vicente ter sido feita pelo canteiro central da avenida da orla e não ao lado da faixa de areia, como no resto da orla. Outra exemplo é Mongaguá, onde pedestres andam na ciclovia da orla para desviar de quiosques que ocupam toda a calçada.

Moraes afirma que há cuidados básicos, como saber aonde se vai, não ficar bobeando parado e não usar qualquer cadeado.

Para Jesse Felix, da Associação Brasileira de Ciclistas, são necessários, entre outras coisas, mais investimentos na criação de paraciclos que ofereçam segurança, se possível com um funcionário tomando conta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.