FELIPE RAU/ESTADÃO
FELIPE RAU/ESTADÃO

Chuvas da madrugada provocam alagamento na Grande São Paulo

Ruas do Jardim Rochdale, em Osasco, ficaram submersas após chover 60 mm de madrugada; capital teve 21 pontos de alagamento 

O Estado de S. Paulo

02 Novembro 2015 | 12h07

SÃO PAULO - As fortes chuvas da madrugada desta segunda-feira, 2, provocaram alagamentos e causaram transtornos na capital e na Grande São Paulo. As enchentes atingiram o bairro do Jardim Rochdale, em Osasco, deixando carros tomados pela água, ruas submersas e lixo boiando. Já a cidade de São Paulo chegou a registrar 21 pontos de alagamento.

As Ruas Cuiabá e Recife, em Osasco, foram impactadas pelas chuvas, deixando moradores ilhados. Segundo nota da prefeitura, o alagamento no Jardim Rochdale foi "pontual e ocorreu devido ao excesso de chuvas nesta madrugada. A pluviometria registrada na cidade ao longo da noite foi de 60 milímetros, que atingiu principalmente a região norte do município. Também de acordo com a administração municipal, nenhuma família foi desalojada.

Por causa da cheia, equipes da Defesa Civil, Departamento Municipal de Transito (Demutran) e da Secretaria de Serviços e Obras, com cerca de 50 pessoas, foram deslocadas para áreas atingidas. Em nota, a prefeitura diz, ainda, que realiza obras de infraestrutura para combater as enchentes, como a canalização do córrego do Jardim Baronesa e do braço morto do Rio Tietê.

Capital. De acordo com o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), a cidade de São Paulo chegou a registrar 21 pontos de alagamento, 12 deles na zona norte. Por volta do meio-dia, 16 pontos permaneciam ativos e um deles, na Avenida Cruzeiro do Sul, em Santana, era intransitável.

Na zona norte, a região de Santana teve cinco pontos de alagamento, a Casa Verde teve quatro e a Vila Maria/Vila Guilherme, três. Na zona oeste, cinco locais acumularam água: dois em Pinheiros, dois na Lapa e o outro no Butantã. Já a região central teve três pontos de alagamento na Sé, enquanto a zona sul teve um ponto na Vila Mariana.

Segundo o CGE, o Dia de Finados deve ter tempo instável e chuvoso. "Em decorrência da continuidade das chuvas, o alerta fica para as regiões com áreas de risco, onde a probabilidade de escorregamentos de encostas e desabamentos de residências é maior", afirma o órgão da Prefeitura, em nota. "Rios e córregos da região estão com seus níveis bastante elevados, o que aumenta o potencial para transbordamentos." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.