Chuva forte e granizo atrapalham 1º dia do Carnaval em SP

Avenida se transformou em uma ‘piscina’ durante a noite; pelo menos seis ficaram feridOs após estrutura montada pela Prefeitura para entregar camisetas despencar no Campo de Marte

Bárbara Ferreira Santos, Bruno Ribeiro, Diego Zanchetta e Marina Azaredo, O Estado de S. Paulo

01 Março 2014 | 11h28

SÃO PAULO - A chuva, tão esperada em São Paulo nos últimos dois meses, foi a vilã da primeira noite dos desfiles das escolas de samba do Carnaval de São Paulo. Pedras de granizo chegaram a cair e a avenida se transformou em uma espécie de "piscina" durante a noite. Perto do sambódromo, pelo menos seis pessoas ficaram feridas depois que a estrutura montada pela Prefeitura para entregar as camisetas de acesso ao camarote oficial despencou no Campo de Marte, na zona norte.

Contrariando a vontade do governador Geraldo Alckmin (PSDB), que, na abertura do evento, chegou a dizer que queria chuva “só depois dos desfiles”, o temporal já comprometeu a primeira escola a se apresentar, a Leandro de Itaquera, e persistiu durante toda a noite. Alckmin esteve no camarote da Prefeitura, assim como o prefeito Fernando Haddad (PT).

Mesmo sob chuva forte, a primeira-dama da cidade, Ana Estela Haddad, desfilou pela Acadêmicos do Tucuruvi, quinta escola a se apresentar. “Foi muito bom!”, disse, logo que terminou sua participação no carnaval.

E lembrou que a cidade ficou sete anos sem uma primeira-dama. “É muito bom cada um fazer o que gosta, não é?”, disse instantes antes de ser levada por seguranças para um carro. Ana Estela também recebeu convite da Rosas de Ouro, mas não aceitou por não ter conseguido participar dos ensaios.

Desfiles. Sem surpresa, as escolas que mais empolgaram as arquibancadas foram a Vai-Vai, com um desfile em homenagem à cidade de Paulínia, e a Rosas de Ouro, com o enredo “Inesquecível”.

A Rosas, segunda escola a entrar na avenida, foi uma das poucas privilegiadas a desfilar quando a chuva deu uma trégua. O destaque foi a rainha de bateria Ellen Rocche, que quase não desfilou por problemas na fantasia. “Meia hora antes do desfile, um pedaço da minha fantasia soltou, mas conseguimos arrumar. Deixei até as minhas asas de fora, porque era para sair como uma Barbie Butterfly, mas saí como uma Barbie normal.”

A Tom Maior, última escola a se apresentar, entrou na avenida já com o dia claro e teve um problema no sistema que guia o carro abre-alas, atrasando o início do desfile. Duas empilhadeiras, andando de ré, tiveram de conduzir o carro. Por causa do problema, após 20 minutos de desfile, a bateria ainda não havia entrado no sambódromo. A escola precisou correr para terminar a apresentação no tempo correto.

A X-9, terceira a se apresentar, também desfilou sob chuva forte e enfrentou problemas desde o início. As luzes de led da comissão de frente se apagaram poucos metros depois da saída e chovia até mesmo dentro do carro alegórico da escola chamado "O rei de pernas para o ar".

A Dragões da Real, quarta escola a entrar na avenida, com um enredo "Um Museu de Grandes Novidades", sobre os anos 1980, trouxe, já na comissão de frente, uma representação do clipe "Thriller", de Michael Jackson.

Camarotes. O camarote da Prefeitura no Anhembi teve uma visível contenção de gastos realizada pela gestão de Fernando Haddad (PT), que atingiu até mesmo a comida oferecida no local. No buffet, havia disponível apenas pipoca, frutas e lanches de atum com cenoura. O cardápio foi bem mais modesto do que o oferecido durante o governo de Gilberto Kassab (PSD), quando os convidados da Prefeitura tinham à disposição comida japonesa, frios, queijo gorgonzola, pizzas da Pizzaria 1900 e sorvetes Rochinha.

O local também estava mais vazio neste ano. Os convidados se restringiram a assessores e políticos da base governista, como o atual ministro da Saúde, Arthur Chioro.

Já nos camarotes patrocinados, a principal estrela da noite foi o ex-jogador de futebol Ronaldo Nazário, que foi acompanhado da namorada Paula Morais. Em conversa rápida com repórteres. Ronaldo afirmou que iria se segurar para não chorar no sábado, quando seria homenageado pela Gaviões da Fiel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.