TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Chuva fica abaixo da média, mas Cantareira fecha junho em alta

Apesar de apenas 67,8% da precipitação esperada, manancial passou a abastecer menos pessoas e ganhou 0,1 ponto no mês

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

30 Junho 2015 | 09h46

SÃO PAULO - Em junho, não choveu o esperado sobre a região do Sistema Cantareira. Ainda assim, o nível dos reservatórios que compõem o principal manancial de São Paulo fechou o mês em alta, segundo dados divulgados pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Além dele, apenas o Sistema Rio Claro não perdeu volume armazenado de água nos últimos 30 dias. Esse último também foi o único a bater a média histórica de chuvas para junho.

O Cantareira opera nesta terça-feira, 30, com 19,9% da capacidade, mesmo índice do dia anterior. O número considera duas cotas de volume morto, de 182,5 bilhões de litros de água e de 105 bilhões de litros, adicionadas no ano passado. Já comparado ao dia 1.º de junho, quando estava com 19,8% da capacidade, o sistema somou 0,1 ponto porcentual ao volume de água represada.

Ao longo do mês, as chuvas na região do manancial somaram 39,7 milímetros: cerca de 67,8% da pluviometria esperada para o período. Com a seca, no entanto, o Cantareira, que iniciou o ano atendendo 6,5 milhões, passou a abastecer cada vez menos pessoas. Em junho, cerca de 200 mil paulistas foram remanejados para o Rio Claro, e o Cantareira passou a abastecer 5,2 milhões.

Considerando o índice negativo do Sistema, que passou a ser divulgado pela Sabesp após determinação da Justiça, o Cantareira está com - 9,4% da capacidade. Já de acordo com o terceiro porcentual, que leva em consideração o volume armazenado dividido pelo volume útil somado às duas cotas de reserva técnica, o manancial opera com 15,4% da capacidade.

Outros mananciais. Atual responsável por atender o maior número de pessoas na capital e Grande São Paulo (5,8 milhões), o Guarapiranga voltou a perder volume armazenado de água e encerrou o mês no vermelho. Os seus reservatórios registram 75%, ante 75,2% do dia anterior.

Ao longo de junho, o Guarapiranga sofreu uma perda expressiva: 5 pontos porcentuais. No primeiro dia do mês, o nível estava em 80%. Sobre a região, a pluviometria acumulada foi de 27,2 mm, o que representa apenas 50,6% da expectativa para o período.

Outro a registrar baixa foi o Alto Tietê. Atualmente, o manancial está com 20,6%, 0,1 ponto porcentual a menos do que no dia anterior. Já comparado ao início do mês, quando estava com 22,3%, a queda foi de 1,7 ponto. Nesse período, choveu 68,8% do esperado.

Os Sistemas Alto Cotia e Rio Grande também sofreram queda no volume armazenado de água neste mês. Eles operam com 63,6% e 92%, respectivamente, ante 67,5% e 93,5% no dia 1.º de junho.

Tendo chovido mais do que o dobro do esperado, o Rio Claro ganhou água represada. O manancial fecha o mês com 71,7% da capacidade: 15,2 pontos porcentuais a mais do que no início de junho. A pluviometria acumulada nesse período foi de 200,4 mm. A média histórica é de 95,4 mm. 

Mais conteúdo sobre:
Crise da ÁguaSabespSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.