Epitácio Pessoa/AE
Epitácio Pessoa/AE

Chuva faz Rio Tietê transbordar e provoca vários pontos de alagamento

São Paulo ficou em estado de atenção por quase toda a noite; Distritos da Casa Verde e Penha foram postos em alerta

Estadão.com.br,

23 Janeiro 2011 | 20h57

SÃO PAULO - Por volta da meia-noite, todos os estados de alerta e atenção de São Paulo foram retirados pelo Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE). O temporal na noite de domingo fez o Rio Tietê transbordar em dois pontos - próximo à Ponte do Limão e ao Posto Dutra - e provocou mais de 30 pontos de alagamento na cidade, colocando os distritos da Penha e Casa Verde em estado de alerta, assim como a marginal, por cerca de duas horas.

A forte chuva foi provocada pelo tempo instável associado ao calor que fez durante todo o dia. No fim da noite, a precipitação já perdia intensidade e, por isso as zonas sul, sudeste, oeste e centro, além da Marginal do Pinheiros foram retiradas do estado de atenção, segundo o CGE.

A região do Belenzinho, na zona leste, foi a que recebeu mais chuva. Até as 23h20, o índice de água naquela região havia sido de 146mm, a maior parte acumulada nos cerca de quatro horas de chuva. Em seguida apareciam os medidores do Rio Tietê, na Penha, com 103mm; Córrego Ipiranga, com 87mm; Rio Tamanduateí, na altura da Pacheco Chaves, com 86mm; e Bela Cintra, com 82mm.

 

Caos e destruição. Com os vários pontos de alagamento intransitáveis, as principais ruas de São Paulo ficaram fechadas, deixando carros presos, pessoas ilhadas e congestionamentos. Durante o temporal faltou energia elétrica em 53 bairros.

Segundo o Corpo de Bombeiros, a região do Tatuapé, na zona leste, e de Perdizes, na zona oeste, foram as que mais tiveram chamados para o resgate de pessoas ilhadas. Na Avenida Sumaré o resgate de uma pessoa teve de ser feito de barco.

Para piorar, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) registrou a queda de 14 árvores durante a chuva. Uma delas, na Avenida Imirim, paralisou o trânsito. Nesta mesma região, parte de um dos muros do Cemitério Chora Menino, na zona norte, desabou e ocupou a avenida.

Alagamentos. Algumas das principais vias que foram tomadas pela água foram as seguintes:

 

- Av. Dom Pedro I, com a R. Ouvidor Portugal

- R. Brigadeiro Jordão, com a Av. do Estado

- Av. Ordem e Progresso, com a Praça Del Amoroso Neto

- Praça Luiz Carlos Mesquita, com a Av. Antártica

- Praça Pascoal Martins, com a Av. Marquês de São Vicente

- Praça Marrey Júnior, com a Av. Antártica

- Marginal do Tietê, com a Ponte do Tatuapé, nos dois sentidos

- Av. Salim Farah Maluf, com a R. Restinga

- Av. Rangel Pestana, com a R. Hipódromo

- Av. Celso Garcia, com a R. São Felippe

- Radial Leste, com a R. Antonio de Barros

- Av. Salim Farah Maluf, com a Av. Vereador Abel Ferreira

- Av. Eusébio Matoso, com a Praça Jorge de Lima

- Av. Rebouças, com a R Henrique Schaumann

- Av. Luiz Dumont Villares, com a Praça Orlando Silva

- Marginal do Pinheiros, com a Ponte Eusébio Matoso

- Av. Zaki Narchi, com a R. Urupiara

- Av. Cruzeiro do Sul, com a Av. Zaki Narchi

- Av. General Ataliba, com a R Jovita

- Av. do Estado, com a R. São Caetano

- Marginal do Tietê, com a Ponte das Bandeiras

- Av. Airton Pretini, com a R Vereador Cid Galvão

- Marginal do Pinheiros, com a Ponte Cidade Jardim

- Av. Pompeia, com a R Turiaçu

- Av Francisco Matarazzo, com a Av. Pompeia

- R. Santa Rosa (Brás), com a R Benjamim de Oliveira

 

 

(COM DIEGO ZANCHETTA, PAULO SALDAÑA e BRUNO RIBEIRO)

 

Atualizado à 0h20 de 24/01

Mais conteúdo sobre:
chuvas em SP alagamento defesa civil CGE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.