Marcos Ambrósio
Marcos Ambrósio

Chuva faz córrego transbordar e fecha aeroporto em SP

Toda a cidade entrou em estado de atenção para enchentes na tarde desta segunda-feira; previsão é de mais precipitações na terça

Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo

16 Março 2015 | 16h38

Atualizado às 20h40

SÃO PAULO - A chuva que atingiu São Paulo na tarde desta segunda-feira, 16, deixou toda a cidade em estado de alerta para enchentes por uma hora, fez o Córrego Ipiranga, na zona sul, transbordar, fechou o Aeroporto de Congonhas por 37 minutos e provocou 24 pontos de alagamento. Quatro linhas de Metrô também operaram em velocidade reduzida, por causa da água nos trilhos. Segundo as subprefeituras, houve pelo menos 16 quedas de árvores em todo o Município.

A chuva caiu com força em pouco tempo. Os locais mais atingidos pela força da água e dos ventos foram as zonas sul e leste da capital paulista. A estação medidora do Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) na Penha registrou 66,8 milímetros de precipitação durante a tarde, sendo 49,2 mm em apenas uma hora. Na Móoca, o índice foi o segundo mais alto: 53,8 mm até as 18h10.

A Subprefeitura do Ipiranga ficou por meia hora em estado de alerta, desde as 15h20, depois que o Córrego Ipiranga transbordou na altura da Avenida Professor Abraão de Morais com a Avenida Francisco Tapajós. O Corpo de Bombeiros, porém, não havia recebido chamados referentes à enchente até as 20 horas.

Também no Ipiranga, moradores relataram queda de granizo pouco antes das 15 horas. O Aeroporto de Congonhas, na zona sul, fechou para pousos e decolagens das 14h46 às 15h23, por causa da tempestade e dos fortes ventos, que chegaram a 68,5 quilômetros por hora às 15 horas. As Linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 5-Lilás do Metrô circularam com velocidade reduzida até a noite.

Cantareira. O Sistema Cantareira teve um volume de chuva considerável, de acordo com os meteorologistas. A Climatempo informou que a pluviometria nas reservas que abastecem a Grande São Paulo oscilou de 10 milímetros em alguns pontos a 30 em outros.

“A expectativa é de que o nível do Cantareira tenha alta ou, ao menos, se mantenha estável amanhã (terça-feira)”, disse a meteorologista Michele Fernandes. Nesta segunda-feira, o Sistema Cantareira subiu pelo décimo primeiro dia consecutivo, segundo dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). O manancial tem agora 15%, ante 14,7% no domingo.

Segundo Michele, a chuva foi causada pela instabilidade associada ao calor e à alta umidade. A temperatura chegou aos 30°C às 14 horas, no Mirante de Santana, zona norte, pouco antes do começo das chuvas generalizadas – e à noite caiu para 21°C.

Previsão. O tempo permanecerá instável esta semana. Na terça-feira, o céu fica ficará encoberto, com probabilidade de chuva já nas primeiras horas do dia. Os termômetros devem oscilar entre os 19ºC e os 25ºC.

Já na quarta-feira, a sensação de tempo abafado voltará a predominar logo cedo. A partir da tarde a chuva acontece com até forte intensidade. Por conta do solo encharcado e da continuidade das precipitações, o potencial para formação de alagamentos será elevado. A temperatura vai variar entre os 18ºC os 26ºC.

Mais conteúdo sobre:
chuva tempestade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.