Bruno Rocha/Fotoarena
Bruno Rocha/Fotoarena

Chuva faz colégios particulares cancelarem aulas; escolas foram tomadas pela água

Santa Cruz, que fica próximo do Rio Pinheiros, ficou alagado; aulas foram canceladas nesta segunda-feira e também na terça-feira. Outros colégios particulares também suspenderam atividades por conta da chuva

Renata Cafardo, O Estado de S.Paulo

10 de fevereiro de 2020 | 17h51

SÃO PAULO - Colégios particulares de elite foram tomados pelas águas com a forte chuva que atingiu São Paulo desde a madrugada desta segunda-feira, 10. Os alagamentos fizeram com que aulas fossem suspensas tanto nesta segunda quanto na terça-feira e deixaram pais perplexos com a dimensão das enchentes em bairros nobres da capital.  

“É impressionante, muita gente acha que isso só acontece no Jardim Pantanal, mas não é bem assim, toda a cidade está vulnerável”, diz Angela Almeida, mãe de João, de 16 anos, que estuda no Colégio Santa Cruz. Imagens da escola alagada correram os grupos de mães de Whatsapp durante o dia.

O Santa Cruz, que fica numa das regiões mais nobres de São Paulo na zona oeste, amanheceu com o seu piso térreo completamente alagado. A água subiu cerca de um metro e tomou bancos, mesas e uma biblioteca que tinha acabado de ser finalizada – mas estava sem livros. O alagamento aconteceu por volta das 5 horas da manhã e os pais receberam mensagens da escola logo cedo para não levar os alunos.

A região fica perto do Rio Pinheiros e já sofreu outras enchentes, a última em 2013. Mas, segundo pais e funcionários, a dificuldade dessa vez é que a água está demorando a baixar. Segundo a direção, a razão do alagamento foram “fortes chuvas que provocaram o transbordamento do rio, aliadas à dificuldade de escoamento da água na região”.

O colégio fica perto do Rio Pinheiros, atende 3200 alunos do ensino infantil ao médio, com mensalidades que entre R$ 4 mil e R$ 5 mil. A direção informou que ainda está avaliando todos os danos e que não haverá aulas nesta terça-feira.

Grupos de estudantes têm se mobilizado ao longo do dia para formar mutirões para limpar os ambientes atingidos, mas ainda não puderam entrar no colégio. Entre as preocupações estão a eventual contaminação da água que tomou a escola.

A Beacon School, escola bilíngue que fica na Vila Leopoldina, também foi invadida pelas águas. Segundo a diretora da escola, Maria Eduarda Sawaya, o prédio está interditado por causa da enchente e não foi possível sequer entrar na unidade para saber a extensão dos danos. O colégio tem cerca de 800 alunos de fundamental 1 e 2. Não haverá aulas na escola pelo menos até quarta-feira.

Outro colégio particular que amanheceu ilhado foi o Porto Seguro, em sua unidade Morumbi. O enorme estacionamento da escola foi totalmente tomado pela água e ainda não há previsão sobre retorno das aulas. “Não foi tão surpresa tão grande porque já alagou outras vezes, mas a maior parte dos alunos foi até lá e descobriu lá que não haveria aula”, diz o empresário Victor Ferreira, pai de Guilherme e Felipe.

Segundo a escola, o “cancelamento das aulas nesta segunda e terça-feira não prejudicará a programação pedagógica, que será reorganizada durante o ano letivo”.

A unidade da Vila Leopoldina do Colégio Vera Cruz também suspendeu as aulas na tarde desta segunda-feira. A rua em frente ao colégio alagou, a água entrou no pátio e os alunos do ensino médio que estavam na escola foram dispensados.

A Avenues, escola internacional com mensalidades que chegam a R$ 8 mil e que fica próxima da Marginal Pinheiros, cancelou as aulas por precaução e dificuldade de acesso. Outras escolas mandaram informes aos pais avisando que faltas não seriam contadas hoje e que a atividade pedagógica também não seria prejudicada para quem não pudesse comparecer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.