Wagner Bordin/Estadão.com.br
Wagner Bordin/Estadão.com.br

Chuva em SP provoca quatro mortes e rios Tietê e Pinheiros transbordam

CET registra mais de 57 pontos de alagamento por toda a cidade, que registrou mais de 100 mm de chuva em vários pontos

Bruno Lupion e Pedro da Rocha - do Estadão.com.br,

11 Janeiro 2011 | 03h14

SÃO PAULO - A forte chuva que atingiu São Paulo na noite de segunda-feira, 10, fez transbordar os rios Pinheiros e Tietê e os córregos Cabuçu de Baixo, na zona norte, Jaguaré, na zona oeste, e Morro do S, na zona sul. Quatro pessoas morreram e três ficaram feridas em deslizamentos na capital e em Mauá, na Grande SP.

Veja também:

 linkCasas desabam em São José dos Campos e seis pessoas estão desaparecidas

O Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) mantém em estado de alerta sete regiões da capital: Sé, Butantã, Freguesia do Ó, Casa Verde, Penha, Lapa e M'Boi Mirim. Todas as outras áreas da cidade permanecem em estado de atenção. À 2h30 desta terça-feira, 11, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) registrava 57 pontos de alagamento e o Corpo de Bombeiros recebeu chamados de dezenas de pessoas ilhadas pela cidade.

O Rio Tietê transbordou e as águas invadiram a Marginal em diversos pontos: na Ponte do Piqueri, na Ponte das Bandeiras, no Complexo Anhanguera, no acesso à Rodovia Presidente Dutra e na área do Anhembi. O Rio Pinheiros extravasou sua calha na altura da Ponte da Cidade Universitária, segundo informações do CGE.

Também ficaram alagados o cruzamento da Avenida Sumaré com a Rua Turiaçu, o cruzamento da Avenida Pompeia com a Avenida Francisco Matarazzo, a Praça Franklin Roosevelt, o cruzamento da Avenida Brasil com a Avenida Rebouças e a esquina da Avenida Eusébio Matoso com a Praça Jorge de Lima.

Moradores do Jardim Rochdale, na divisa com Osasco, relatam que a água do Rio Tietê invadiu cerca de 50 casas, destruindo móveis e eletrodomésticos. Eles prometem colocar os objetos no meio da rua e incendiá-los ainda nesta madrugada, em protesto contra a falta de ações da Prefeitura. "Sábado aconteceu isso, hoje de novo. A água subiu tanto que está batendo no pescoço de alguns moradores", disse o motorista Rodrigo Silva, de 38 anos.

Vítimas. Até as 3h30, quatro deslizamentos de terra na capital e em Mauá deixaram quatro mortos e três pessoas feridas. Amaro Gabriel do Nascimento, de 76 anos, foi vítima de um soterramento, no Capão Redondo, zona sul. Seu neto, de 17 anos, escapou com uma perna fraturada.

Na Rua Virginia de Araújo, Tremembé, zona norte, outro deslizamento deixou duas pessoas mortas, segundo o Corpo de Bombeiros. Ainda não há informações sobre sexo e idade das vítimas.

Um morador de rua também morreu na Rua Major Quedinho, região central de São Paulo. Segundo os bombeiros, ele foi arrastado pela enxurrada até bater em um carro. Ele foi socorrido à Santa Casa, mas não resistiu aos ferimentos.

Em Mauá, na Rua Zoaldo Ferreira da Silva, na Vila Santa Cecília, duas pessoas foram resgatadas com vida de um soterramento e encaminhadas ao Hospital Nardini. Às 3h30, os bombeiros ainda trabalhavam na busca de duas vítimas soterradas na Rua Lourival Portal da Silva, no Jardim Zaíra, também em Mauá.

Árvores. Três árvores caíram e interditam parte da Rua José Roberto Sales, no Jardim Ângela, zona sul, da Rua da União, na Vila Mariana, e da Alameda Glete, na Santa Cecília, região central.

Previsão. Até as 2 horas, choveu 125,2mm na estação telemétrica Cabuçu de Cima - Vila Galvão, na região norte, divisa com Guarulhos, e 117,6mm na estação do Rio Tietê em São Miguel, na zona leste. Na estação da Bela Vista, região central, a precipitação alcançou 96,8mm.

A tendência é a chuva diminuir gradativamente de intensidade, restando apenas chuva leve e isolada ao longo da madrugada. Segundo o CGE, o solo encharcado mantém alto o risco de inundações e deslizamentos de terra.

O tempo não muda muito ao longo da semana e segue abafado com sol entre nuvens na capital, com termômetros oscilando entre 19ºC e 29ºC. As chuvas continuam ocorrendo na forma de pancadas, principalmente no final das tardes, e permanece elevado o risco de alagamentos e deslizamentos de terra.

Atualizado às 4h07 para acréscimo de informação

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.