EFE
EFE

Chuva eleva nível de rios na região de Campinas

Das doze cidades que adotaram o racionamento, seis suspenderam ou reduziram as restrições ao consumo

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

15 Dezembro 2014 | 20h27

SOROCABA - As chuvas do final de semana dobraram o volume de água dos rios que abastecem a região de Campinas, a mais afetada pela crise hídrica no interior do Estado de São Paulo. Lagos e represas usados para abastecimento também voltaram a armazenar uma quantidade maior de água. Das doze cidades que adotaram o racionamento, seis suspenderam ou reduziram as restrições ao consumo. 

O Rio Atibaia, que abastece cerca de um milhão de pessoas em Campinas, chegou ao nível de 8,99 metros cúbicos por segundo no ponto de captação. A Sanasa Campinas, empresa responsável pelo saneamento na cidade, informou que a qualidade da água que chega à estação de tratamento melhorou em razão da menor concentração de poluentes. 


O Rio Jaguari, que tinha nível inferior a um metro cúbico por segundo há um mês, atingiu 2,86 m3/s, segundo a rede de telemetria do Departamento de Água e Energia Elétrica do Estado. Já o Rio Piracicaba, que chegou a ter 7 metros cúbicos de vazão, chegou a 17,42 m3/s na tarde desta segunda-feira. No distrito de Artemis, depois de receber as águas o Rio Corumbataí, que abastece a cidade, a vazão do Piracicaba subiu para 28,54 m3/s.

Em Águas de Lindoia, que havia adotado o racionamento após ter secado a represa que abastece a cidade, as chuvas trouxeram alívio aos moradores e a água está de volta nas torneiras. A prefeitura de Valinhos decidiu suspender o racionamento, mas apenas nas festas do Natal e Ano Novo levando em conta a recuperação parcial dos mananciais. De acordo com moradores, o período sem água está menor. Em Itu e Salto, o racionamento já foi suspenso e só será retomado caso ocorra nova estiagem. Em Cordeirópolis e Mombuca o período sem abastecimento também foi reduzido.

Mais conteúdo sobre:
crise da água Campinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.