Chuva danifica 29 museus em Minas, Rio e ES

Goteiras e infiltrações são os problemas mais comuns, mas há prédios até em áreas de risco

MARCELO PORTELA, BELO HORIZONTE, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2012 | 03h04

A chuva que castiga a Região Sudeste ameaça pelo menos 29 museus. Goteiras e infiltrações são os problemas mais comuns. Mas desabamentos de muros e deslizamentos de encostas também põem em risco acervos e imóveis - alguns construídos há mais de dois séculos. É o que mostra levantamento do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram).

Em Minas, até o Museu da Inconfidência, em Ouro Preto, está ameaçado por estar em área de risco de deslizamento. O edifício do século 18 abriga obras de Manuel da Costa Ataíde e Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho. Outros prédios mineiros também correm perigo, como os dos Museus Regional de Caeté, também do século 18, e do Diamante, em Diamantina. Nos dois casos, muros já desabaram e há infiltrações no telhado e no piso.

Infiltrações também foram encontradas nos Museus do Ouro, em Sabará, Casa dos Ottoni, no Serro, e Arquidiocesano de Mariana. Em Belo Horizonte, a chuva causou danos ao Museu de Arte da Pampulha, parte do conjunto arquitetônico elaborado por Oscar Niemeyer, e ao Museu de Artes e Ofícios.

No Rio, temporais ameaçam prédios históricos, como o Museu Imperial, onde d. Pedro 2.º passava o verão, e o Palácio Rio Negro, que funcionou como residência de verão dos presidentes Getúlio Vargas e Juscelino Kubitschek. Ambos são de Petrópolis e têm problemas com infiltrações, assim como os Museus de Arte Religiosa e Tradicional, em Cabo Frio, Casa da Hera, em Vassouras, e da República e Villa-Lobos, na capital fluminense.

Em Paraty, o Museu Forte Defensor Perpétuo, cujo prédio foi construído em 1793, também sofre com infiltrações, mas o maior problema é a ameaça de deslizamento das encostas que cercam o prédio. Outro imóvel em risco é o do Centro Cultural de São José de Ubá, que apresenta rachaduras.

No Espírito Santo, 7 dos 16 municípios em situação de emergência têm museus, segundo o Ibram. Mas, apesar da intensidade da chuva nos últimos dias, a maior parte teve apenas goteiras. Só no Museu Elias Lorenzutti, em Linhares, o acúmulo de água no forro levou a direção a transferir o acervo ao prédio da Secretaria de Cultura até que a chuva dê trégua. Goteiras ainda foram detectadas em museus de Cachoeiro do Itapemirim, Santa Leopoldina, Domingos Martins, São Mateus e Ibatiba.

O maior problema, segundo o instituto, está em Vitória. Na capital capixaba, o Museu Solar Monjardim, que funciona desde 1939, está ameaçado pelo risco de queda do muro de contenção da encosta vizinha ao terreno. No Museu Histórico da Ilha das Caieiras, a água que penetrou por esquadrias das janelas afetou piso, livros e sala de exposições. Ainda invadiu o Museu do Telefone, que está alagado.

Dos quatro Estados do Sudeste, apenas São Paulo não relatou danos a museus causados pela chuva. Segundo o Ibram, a situação pode ser mais grave, pois o levantamento feito entre 5 e 10 de janeiro inclui apenas instituições que repassaram informações - em algumas cidades em emergência, o órgão não conseguiu nem contato.

Reparos. Segundo o presidente do Ibram, José Nascimento Júnior, R$ 15 milhões serão destinados aos museus. "Os primeiros a serem atingidos nessas situações são os edifícios. Os recursos serão para reparos em infiltrações, telhados que sofrem com excesso de água e contenção de encostas próximas."

Nascimento também afirmou que o Ibram pretende fazer um programa para treinar voluntários que possam salvar acervos em casos de emergência. "Nessas situações, é preciso ação rápida, de gente treinada para atuar de imediato."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.