Jéssica Aquino/Estadão
Jéssica Aquino/Estadão

Chuva bloqueia Rio-Santos, isola praias e desaloja famílias no litoral norte de SP

Temporal em São Sebastião provocou 12 pontos de deslizamento na rodovia e turistas tiveram de descer de ônibus para seguir a pé ou dormir em veículos; houve enchentes e moradores e comerciantes ficaram ilhados; Maresias foi o local mais afetado

Adriana Ferraz, Paulo Saldaña, Reginaldo Pupo, O Estado de S. Paulo

24 Dezembro 2014 | 16h32

Atualizada às 17h35

SÃO SEBASTIÃO - A forte chuva que atingiu São Sebastião, no litoral norte paulista, bloqueou a Rodovia Rio-Santos, isolou praias e deixou ao menos 70 famílias desalojadas. Houve deslizamentos em 12 pontos da estrada, e casas e estabelecimentos comerciais ficaram ilhados por causa das enchentes. A Praia de Maresias foi a mais atingida, mas a água também fez estragos em Paúba, Boiçucanga, Camburi, Barra do Sahy, Juqueí e Boraceia.

O índice pluviométrico anteontem na região foi de 178 milímetros, o que corresponde a dois meses de chuva. Ontem, choveu mais 24 mm até as 16 horas. Segundo a Climatempo Meteorologia, há previsão de tempo instável para hoje, mas com chuva menos intensa.

Turistas que se dirigiam à região para passar as festas de fim de ano não conseguiram chegar a hotéis e pousadas. “Ninguém pode subir ou descer a serra. Hoje (ontem) de manhã já recebemos uma ligação de cancelamento de pacote”, disse a recepcionista Maiara Oliveira, do Amora Boutique Hotel, um dos mais disputados de Maresias. Segundo ela, outros dois hóspedes eram esperados desde a manhã de ontem.

Em Maresias, várias famílias perderam móveis, mantimentos e roupas. As ruas ficaram vazias durante todo o dia. “A água subiu muito rápido. Quando vimos, já estava no joelho, mesmo dentro da loja. Perdemos muita mercadoria”, disse Fabio Anacleto, de 41 anos, funcionário de um depósito de materiais de construção. Até a festa que seria realizada na praça central em homenagem ao surfista Gabriel Medina, que se tornou campeão mundial no Havaí, foi cancelada.

Estragos. Na tarde de ontem, uma rachadura que atingia metade da Rio-Santos aumentou e o asfalto afundou nas duas pistas, no km 147. Por volta das 18 horas, apenas veículos de emergência podiam trafegar pelo acostamento. O Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e a Defesa Civil conseguiram retirar as barreiras que, desde a tarde anterior, interditavam a estrada no km 151 e no km 159.

Por causa dos transtornos, alguns turistas tiveram de deixar os ônibus em que viajavam e concluir o trajeto a pé. Outros dormiram nos carros. Também houve casos de turistas que se deslocaram para visitar outras praias e não conseguiram voltar por causa dos bloqueios. “Muita gente saiu para passar o dia em outra praia e não conseguiu voltar. A água subiu muito”, disse Rosilda da Silva, de 36 anos, recepcionista de uma pousada em Boiçucanga. Na praia também houve alagamentos em casas e hotéis.

Em Paúba, praia vizinha, uma casa desabou e uma criança de 5 anos teve ferimentos leves - até as 16h30 de ontem, não havia informações sobre outros acidentes no município.

Atenção. São Sebastião estava em estado de atenção máximo ontem, segundo a prefeitura. A chuva começou na segunda-feira e ficou mais forte na tarde de terça. O nível da água, em alguns pontos, chegou a 2 metros. A prefeitura informou que o número de desalojados deve ser maior, uma vez que ainda não era possível contabilizar o estrago na cidade por causa do difícil acesso entre os bairros.

A prefeitura está recebendo doações. Além de colchão, roupas e comida, há necessidade de água potável, fraldas geriátricas e infantis. A travessia de balsas para Ilhabela chegou a ser interrompida por causa dos ventos, mas foi restabelecida.

Houve também registro de alagamentos em Ubatuba. O bairro Estufa Dois foi um dos que ficaram debaixo da água. Já em Caraguatatuba choveu forte, mas sem registros graves. / COLABOROU JOSÉ MARIA TOMAZELA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.