Chuva alaga São Paulo e três córregos transbordam

Até o início da madrugada, bombeiros registraram mais de 30 ocorrências de pessoas ilhadas

Bruno Lupion, Pedro da Rocha e Damaris Giuliana,

11 Janeiro 2011 | 00h49

Pedestres enfrentam ponto de alagamento na avenida Marques de São Vicente. Foto: Leonardo Soares/AE 

SÃO PAULO - A forte chuva que atingiu São Paulo na noite de segunda-feira, 10, fez transbordar três córregos, o Cabuçu de Baixo, na zona norte, Jaguaré, na zona oeste, e Morro do S, na zona sul. Diversas vias da cidade alagaram, inclusive trechos das marginais do Pinheiros e Tietê, e um deslizamento no Capão Redondo, na zona sul, deixou duas pessoas soterradas.

 

O Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) mantém em estado de alerta seis regiões: Butantã, Lapa, Freguesia do Ó, Casa Verde, Penha e M'Boi Mirim. Todas as outras áreas da cidade permanecem em estado de atenção. À 0h30 desta terça-feira, 11, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) registrava 49 pontos de alagamento e o Corpo de Bombeiros recebeu chamados de dezenas de pessoas ilhadas pela cidade.

Entre as principais vias alagadas, está o cruzamento da Avenida Sumaré com a Rua Turiaçu, a Avenida Pompeia com a Avenida Francisco Matarazzo, a Praça Franklin Roosevelt, o cruzamento da Avenida Brasil com a Avenida Rebouças, a esquina da Avenida Eusébio Matoso com a Praça Jorge de Lima, a Marginal Pinheiros sob a Ponte Eusébio Matoso e a Marginal Tietê na região das ponte do Remédios e da Vila Guilherme.

Moradores do Jardim Rochdale, na divisa com Osasco, relatam que a água do Rio Tietê invadiu cerca de 50 casas, destruindo móveis e eletrodomésticos. Eles prometem colocar os objetos no meio da rua e incendiá-los ainda nesta madrugada, em protesto contra a falta de ações da Prefeitura. "Sábado aconteceu isso, hoje de novo. A água subiu tanto que está batendo no pescoço de alguns moradores", disse o motorista Rodrigo Silva, de 38 anos.

Até o momento foram registrados dois deslizamentos de terra. Uma na Rua Nilton Machado de Barros, no Capão Redondo, zona sul deixou duas pessoas soterradas. Ainda não há informações sobre o resgate das vítimas. Na Brasilândia, um deslizamento destruiu uma residência na Rua do Inverno, mas ninguém se feriu. Três árvores caíram e interditam parte da Rua José Roberto Sales, no Jardim Ângela, zona sul, da Rua da União, na Vila Mariana, e da Alameda Glete, na Santa Cecília, região central.

Guarulhos

Em Guarulhos, na Região Metropolitana, havia registros de alagamentos e desabamento de muros, de acordo com a Defesa Civil Municipal, que não registrou vítimas até as 23h30.

De acordo com o diretor-geral da Defesa Civil, Paulo Vitor, agentes priorizavam os desabamentos. Um dos pontos críticos era a garagem da empresa de ônibus Transguarulhense, onde o muro desabou e havia risco de desabamento também de uma casa. O quartel central do Corpo de Bombeiros, localizado na Avenida Monteiro Lobato, no bairro Macedo, também foi inundado pelas águas.

 

Atualizada à 1h16

Mais conteúdo sobre:
São Pauloenchenteschuva

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.