Chute no ouvido

Alô, Mano Menezes!

TUTTY HUMOR, O Estado de S.Paulo

22 de maio de 2012 | 03h03

Impressionante a disposição de Kaká no show de Ivete Sangalo, Thiaguinho e Luan Santana no Anhembi. O jogador do Real Madrid não suava tanto a camisa, salvo engano, desde o tempo em que jogava no Milan!

Relaxa e...

Já que as filas na Disney World ficaram a preços proibitivos com a alta do dólar, os tremores de terra em Montes Claros (MG) podem ser boa opção para as férias de julho de quem não conseguiu juntar dinheiro suficiente para passar frio na serra gaúcha.

Paz entediante

Sem disparar uma só bala de borracha, a polícia frustrou os cerca de 2 mil participantes da Marcha da Maconha na Avenida Paulista. É o tipo de manifestação que, sem gás lacrimogêneo, dá um sono danado.

Boato infame

A Guarda Municipal do Rio fez a escolta do pagodeiro Belo com a sua Gracyanne Barbosa até o altar da Igreja da Candelária, mas não vai acompanhar o casal nos próximos dias em lua de mel pela Europa. E não se fala mais nisso, ok?

Ausência sentida

"Cadê o padre Marcelo Rossi?" Só se falava disso no casamento de Mark Zuckerberg, dono do Facebook, no Vale do Silício!

Invasão bárbara

Para quem ainda tem dúvidas sobre a vitalidade da economia brasileira, Diogo Mainardi está procurando apartamento para comprar em Veneza. Não demora muito, vai ter um monte de vizinhos da classe C de São Paulo vivendo à beira do canal!

Ao abrir mão do sagrado direito de pedir música no Fantástico, prerrogativa assegurada a quem faz três gols no domingo, o atacante argentino Herrera, do Botafogo, merece aplausos pelo bom exemplo que deu aos colegas brasileiros.

Gosto musical de jogador de futebol não se discute, mas também não é coisa que mereça divulgação nem aqui nem na China.

Desde que a TV Globo lançou a brincadeira no ar, tem torcedor que prefere ver seu time ganhar por um placar mais apertado a golear e expor seu artilheiro ao ridículo de pedir um pagodinho xexelento - quando não um sertanejo de quinta categoria ou um gospel abaixo da crítica - no três em um do Tadeu Schmidt.

Não à toa, Herrera foi o grande destaque da abertura do Brasileirão: nos livrou de terminar o domingo passado ao som do que há de mais sofrível no tango da atualidade.

O pior é que certos gols de placa, dependendo da trilha sonora do replay na televisão, nem parecem nada demais!

A Globo devia dar aos goleadores da rodada o direito de pedir outras coisas que não música.

Pêra, uva ou maçã com a Glenda Kozlowski, por exemplo, quem sabe, né não?

Culpa da Xuxa

Não convidem

Michael Jackson e Ayrton Senna para a mesma nuvem!

Parece que está

rolando uma

ciumeira danada

no céu!

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.