Chinesa chegou ao Brasil só falando mandarim e inglês

Ying Xing (ou Francisca), se virou na sala de aula para aprender a falar português com sotaque: 'o mais difícil é o ditado'

O Estado de S.Paulo

26 Maio 2013 | 02h04

Quando chegou ao Brasil, em 2011, a estudante Ying Xing, hoje com 14 anos, falava chinês e um pouco de inglês, mas não tinha nenhuma referência de palavras em português. Os pais a matricularam na Escola Municipal de Ensino Fundamental Helena Lombardi Braga, na zona norte da cidade, e ela teve de se virar. Em menos de um ano, já enfrentava bem as aulas. "O mais difícil é o ditado", conta ela, que até nome de brasileira já ganhou: Francisca.

Antes de chegar a São Paulo, Francisca morou na Romênia com a família. Os pais trabalham no comércio popular, vendendo bolsas. Ela está na 6.ª série e, com um certo sotaque que lembra o inglês, conta que tem se dado bem nas aulas. "Eu fiz aula também no computador."

Educar Francisca foi um desafio para os professores, mesmo já acostumados com grande volume de estrangeiros - na maioria, bolivianos. "Falo inglês, espanhol, mas nada de mandarim", diz a professora de Português Magda Machado Marques. Apesar disso, o processo de aprendizagem foi surpreendente. "Não tive de acrescentar outra língua, ela aprendeu com aulas em português. A dificuldade maior é na escrita, mas ela é um exemplo claro de uma facilidade com línguas. "

Minoria. Apesar de a China ter uma população de 1,3 bilhão de pessoas, com gente espalhada pelo mundo, a rede municipal de São Paulo tem o registro de só seis estudantes chineses. Bem distante dos 1.357 bolivianos ou até mesmo dos 197 japoneses. No ranking das nacionalidades, está atrás de países como Equador e da ilha caribenha de Martinica - com 16 representantes. Em 2011, eram 36.

Mesmo sem ter a intenção de separar imigrantes em escolas, a Secretaria Municipal de Educação não descarta a possibilidade criar unidades bilíngues em espanhol para atender a imigração dos latino-americanos. A dificuldade maior é com outras línguas. / P.S. e A.F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.