Chegada de suspeitos à CPI causa tumulto em Catanduva

Parentes das supostas vítimas de pedofilia tentaram agredir os acusados na entrada da Câmara da cidade

Agência Brasil,

19 Março 2009 | 16h10

A chegada dos primeiros suspeitos de pedofilia à Câmara Municipal de Catanduva (SP) causou tumulto na tarde desta quinta-feira, 19. Parentes de supostas vítimas de abusos sexuais e outras pessoas que estavam nas proximidades do local tentaram agredir os acusados, que chegaram sob escolta policial. Está previsto para esta tarde, durante a segunda sessão da audiência pública que a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pedofilia realiza na cidade, o depoimento de oito suspeitos.

 

Veja também:

linkCPI da Pedofilia quer audiência com Serra e Tarso

linkCPI vai pedir investigação sobre erro de delegada de Catanduva

link Dois suspeitos têm pedido de prisão derrubado

lista Como denunciar a pedofilia e proteger seus filhos na web 

documento A cartilha do governo para prevenção da exploração 

lista Todas as notícias sobre pedofilia   

 

O primeiro alegou inocência. O jovem de 19 anos que está preso provisoriamente em Catanduva compareceu à audiência acompanhado de seu advogado e afirmou que é vítima de uma confusão. "Acho a pedofilia um crime. Todos os culpados têm que pagar", afirmou aos senadores. "Mas os inocentes tem que ser liberados, e logo."

 

O presidente da CPI, senador Magno Malta (PR-ES), afirmou que o jovem foi reconhecido por duas das cerca de 40 crianças vítimas de abusos sexuais. Entretanto, o suspeito afirmou que nunca cometeu ato de pedofilia e que foi confundido por causa de uma foto publicada em um site de relacionamento. Na foto, o jovem aparece ao lado de outra pessoa que está entre os investigados.

 

Ele afirmou ser amigo do suspeito que aparece na foto há sete anos. Contudo, disse que nunca desconfiou de qualquer comportamento de seu amigo. "Não posso afirmar que ele é inocente. Mas, como eu estou aqui sem ter feito nada, ele também pode ser inocente."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.