Nilton Fukuda/AE
Nilton Fukuda/AE

Chefs vão avaliar cardápio da rede Bom Prato

Acordo prevê que, além de dar aulas a estudantes de curso de ajudante de cozinha, especialistas façam sugestões para aprimorar as refeições

Bruno Ribeiro - O Estado de S. Paulo,

17 Setembro 2012 | 22h54

SÃO PAULO - O cardápio da Rede Bom Prato, programa do governo do Estado que oferece refeições com suco e sobremesa por R$ 1, vai ser analisado por chefs renomados da cozinha brasileira. Eles vão dar aulas a alunos de cursos profissionalizantes da rede e, literalmente, "meter a colher" na preparação dos pratos oferecidos nos restaurantes.

A chegada dos chefs à rede popular é resultado de um acordo assinado nesta segunda-feira, 17, pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o presidente da Associação de Profissionais de Cozinha (APC), o chef João Leme. A cerimônia foi na unidade que servirá como piloto do programa: o restaurante da favela Paraisópolis, na zona sul da capital paulista.

Os alunos são estudantes de curso profissionalizante de ajudante de cozinha de outro programa estadual, o Via Rápida para o Emprego. "O Bom Prato ficava fechado fora do horário de almoço. Agora, nesse período, os alunos estudam e recebem uma bolsa", disse o governador Alckmin. As aulas começaram no ano passado, sob coordenação do Centro Paula Souza.

Com o acordo, chefs de cozinha vão ter mais contato com esses estudantes. "(O acordo) possibilita que os grandes chefs de cozinha de São Paulo façam uma palestra, contem sua história de vida, motivem nossos alunos do Via Rápida na área de gastronomia e ainda analisem nossos pratos, nossos cardápios, façam sugestões, críticas e possam melhorar ainda mais o serviço do Bom Prato", completou Geraldo Alckmin.

A promessa do governo é que, além de um curso mais refinado, os alunos tenham chances de começar no mercado de trabalho perto do topo: arrumando emprego com os melhores profissionais da cidade. A ideia defendida pelo governador é que, em contato com estudantes carentes, os chefs escolham aqueles que mostrarem maior potencial e os contratem.

Novelas. No evento, tanto o governador quanto o presidente da APC destacaram que o setor da gastronomia vive um momento de expansão no País e que um dos aspectos conhecidos de São Paulo é justamente a grande quantidade de restaurantes de qualidade.

"Já formamos 780 profissionais. Chapeiro, pizzaiolo, ajudante de cozinha. Há uma procura muito grande. Hoje, os chefs de cozinha estão até nas novelas", disse Alckmin.

"Iniciamos essa parceria em um momento em que a gastronomia brasileira está em pleno desenvolvimento. Um momento em que a gente começa a reconhecer nossa gastronomia e entendê-la como cultura. Essa cultura que vem agregar essa turma que hoje pode realmente ingressar no mercado de trabalho, onde pessoas que não tiveram acesso a educação, muitas vezes, podem absorver o conhecimento e, mais tarde, se tornar profissionais", disse João Leme.

A primeira turma a receber as aulas dos chefs tem 18 alunos. A capacidade dos cursos é de 30 vagas. O convênio, em caráter experimental, vai durar três meses. Depois, os resultados serão avaliados e o programa poderá ser estendido para os outros 37 restaurantes da rede Bom Prato.

Mais conteúdo sobre:
Bom pratoAlckminchef

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.