Chef de hotel preso por comida vencida

Alimentos impróprios para consumo desde 2008 foram encontrados na cozinha do Grand Hyatt, que já hospedou Bono e Madonna

O Estado de S.Paulo

08 Novembro 2011 | 03h03

O chef e a nutricionista do Hotel Grand Hyatt, no Brooklyn, zona sul de São Paulo, foram detidos ontem depois que a polícia encontrou mais de 100 quilos de alimentos vencidos em câmaras frias e também na cozinha. O hotel de luxo é um dos mais requisitados por celebridades internacionais em visita a São Paulo.

Uma denúncia anônima levou pela manhã os policiais da 2.ª Delegacia da Saúde Pública, do Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania (DPPC) até o hotel. Após vistoria, eles encontraram produtos como carnes, peixes, palmitos, biscoitos e chocolates fora do prazo de consumo e prenderam o chef Tommy Franssila e a nutricionista Amanda Calderón Ciocler, responsáveis pela conservação dos alimentos. "Alguns estavam vencidos desde 2008. Outros tinham prazos mais recentes", afirmou o delegado responsável pela ação, Paulo Alberto Mendes Pereira.

Segundo a polícia, ambos alegaram que, ainda que os produtos estivessem na câmara fria, seriam submetidos a análise antes de serem postos para consumo. "Mesmo que fosse isso, estaria incorreto. Produtos impróprios devem ser descartados imediatamente. Essa é a recomendação, até para evitar que sejam colocados na rota de consumo", disse o delegado.

O chef e a nutricionista pagaram fiança de cinco salários mínimos cada (equivalente a R$ 2.725) e vão responder ao processo em liberdade. A Coordenação de Vigilância em Saúde (Covisa) foi informada ontem mesmo sobre a ação e deverá realizar uma vistoria no hotel.

Uma diária na suíte presidencial do Hyatt pode custar até R$ 12 mil. O hotel já recebeu hóspedes como Madonna, Elton John, Bono e Dalai Lama.Segurança alimentar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.