Chance de aprovação é praticamente nula

Não é à toa que a senadora Marta Suplicy decidiu fazer um recuo estratégico. Parada na Comissão de Direitos Humanos, a chance de a proposta ser aprovada no Senado é praticamente nula. E esse é um tema com o qual o Planalto não quer gastar munição para unir a base.

Eugênia Lopes, O Estado de S.Paulo

27 de junho de 2011 | 00h00

Marta tentou pôr água na fervura e acalmar as bancadas religiosas com a inclusão da permissão para que padres e pastores, com base em convicções religiosas, pudessem fazer críticas ao comportamento homossexual. Nenhum dos lados gostou. "Ninguém quer ceder e o melhor é começar do zero", afirma o senador Cristovam Buarque (PDT-DF). "O caminho certo é começar tudo de novo", concorda o líder do DEM, Demóstenes Torres.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.