Mário Ângelo/Sigmapress/Estadão Conteúdo
Mário Ângelo/Sigmapress/Estadão Conteúdo

Chacina deixa quatro pessoas mortas na zona norte de São Paulo

Vítimas bebiam durante a madrugada em calçada no Tremembé; mulher tentou se esconder embaixo de carro

Marco Antônio Carvalho e Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

09 Novembro 2017 | 06h07
Atualizado 10 Novembro 2017 | 00h14

SÃO PAULO - Quatro pessoas foram assassinadas na madrugada desta quinta-feira, 9, no Tremembé, zona norte de São Paulo. Elas estavam na calçada da Rua Gabriel Martins, na Vila Albertina, quando quatro homens em um carro branco chegaram atirando. Uma das vítimas, uma mulher, tentou se esconder embaixo de um carro, mas foi perseguida e morta. Segundo moradores da rua, ela estava grávida. A informação não foi confirmada pela polícia, que investiga o crime.

+++ INFOGRÁFICO: Criminalidade bairro a bairro

Às 2h da madrugada, Givanildo Henrique da Silva, de 39 anos, Renato Weslly Duarte Bastos, de 29, Erivaldo Beltoldo da Silva Filho, de 28, e uma mulher não identificada bebiam na calçada. Um carro modelo Sandero de cor branca se aproximou com os criminosos e não houve conversa. Na tarde desta quinta-feira, o sangue das vítimas ainda era visto na calçada - além das marcas de bala, nas paredes. 

+++ Homem é linchado após matar ex-namorada

Vizinhos relataram “dezenas de tiros”. “Foram mais de 50. Chegaram para matar”, disse um morador da rua que preferiu não se identificar. O clima era de apreensão no local nesta quinta-feira. 

A polícia informou que próximo do local das mortes funcionava um ponto de venda de drogas que pode estar relacionado com o crime. Entre os mortos, apenas Renato tem passagem na polícia por roubo. Givanildo trabalhava como pintor, Erivaldo era manobrista e a mulher vivia em situação de rua. Vizinhos acreditam que o alvo do crime era Renato. As demais vítimas teriam sido atingidas por estarem próximas a ele. 

A Secretaria da Segurança Pública disse em nota que a “equipe especializada busca testemunhas e informações”. A pasta acrescentou que “se comprovada participação de policiais, as corregedorias das polícias serão acionadas”, mas não comentou se já havia algum indício da participação de agentes.

Em 28 de outubro, três pessoas morreram e outras três ficaram feridas em uma chacina no Jardim Santa Mônica, no distrito de Pirituba, também na zona norte de SP. 

 

Cenário

 Em 2016, o Brasil teve o maior número de mortes violentas de sua história: 61.619. Os dados foram revelados pelo 11.º Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Também houve piora em índices de criminalidade, roubo, furto de veículos e estupro. 

Os jovens são as principais vítimas da violência - os assassinatos representaram 47,8% das causas de morte de brasileiros de 15 a 29 anos em 2015, segundo dados do Atlas da Violência, realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. A violência é a principal causa de mortes desse público, à frente de acidentes e doenças. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.