Cetesb vai analisar 13 áreas próximas ao Shopping Center Norte

Vereadores suspeitam que locais perto do shopping Center Norte também tenham vazamento de gás porque estariam sobre lixões

Diego Zanchetta , O Estado de S. Paulo

29 de setembro de 2011 | 08h22

A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) informou que vai investigar se existem indícios de contaminação em outras 13 áreas próximas do Center Norte. A informação foi dada em audiência pública para discutir a solução para o vazamento de gás metano no shopping Center Norte.

Com base em levantamentos fotográficos de 1950 e de 1978, o vereador Juscelino Gadelha (PSD) suspeita que locais como o Estádio do Canindé e a Rodoviária do Tietê estão sobre antigos lixões, correndo o risco de ter vazamento de gás. A direção da Portuguesa e a concessionária que administram o terminal não comentaram o assunto.

Hoje, não se sabe ao certo como foi a ocupação dessa área de várzea. Pelas leis atuais de uso e ocupação do solo, nem o Anhembi poderia ser erguido tão perto da várzea do Tietê.

Ampliados, os levantamentos indicam que lagoas ao lado do Tietê, de onde era retirada terra para prédios e obras públicas, viraram depósitos de resíduos. “Desde a década de 1940 tem aterros aqui. Minha casa é uma das poucas que não foram construídas sobre eles”, diz Miguel da Silva, de 87 anos. No Centro Coroa Futebol Clube, na Vila Guilherme, que faz locação de quadras de futebol, por exemplo, há tubos de PVC para respiro de metano.

O pedido de investigação dessas áreas, feito ontem pela Comissão de Política Urbana, Metropolitana e Meio Ambiente, também foi destinado à Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, entre outros órgãos. “Nossa proposta é fazer uma varredura para tentar compreender se tem outros focos problemáticos naquela região. Lá tem outras indústrias, residências, prédios, parques”, justificou o vereador Juscelino Gadelha (PSD), autor da requisição.

Ele apresentou o mapa com as áreas supostamente contaminadas a técnicos da Cetesb durante a audiência pública na Câmara. Segundo Gadelha, o mapa é do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo. 

Indagados sobre o assunto, os representantes da companhia reconheceram que os locais citados podem apresentar problemas e se mostraram dispostos a iniciar as análises. “As fotos demonstram que situações semelhantes à do Center Norte podem se repetir nesses locais e realmente precisam de investigação”, disse o gerente do Departamento de Áreas Contaminadas da Cetesb, Elton Gloeden.

Sem prazo. Os representantes da companhia destacaram, porém, que não existe prazo para que a investigação seja estendida a outras áreas. “O que temos de certo, por enquanto, é que houve contaminação no Cingapura e no Center Norte”, afirmou o gerente de Áreas Contaminadas, Rodrigo Cunha. /COLABOROU FELIPE TAU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.