CET vai usar ônibus para receber reclamação sobre trânsito em SP

Veículos ficarão estacionados em sete bairros da capital paulista durante a semana que vem

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

13 Fevereiro 2014 | 16h25

SÃO PAULO - A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) divulgou nesta quinta-feira, 13, que colocará ônibus especiais à disposição dos moradores de sete bairros da cidade de São Paulo para receber reclamações sobre problemas de trânsito. Os veículos ficarão estacionados a partir de segunda-feira, 17, em pontos movimentados das regiões escolhidas. As áreas selecionadas são Vila Ede e Vila Zatt, na zona norte, Vila Mara, na zona leste, Jardim Myrna, Jardim Mascarenhas de Moraes e Vila Monte Alegre, na zona sul, e Jardim João XXIII, na zona oeste.

Também na próxima semana, a CET promete executar uma série de melhorias viárias nesses bairros, com o intuito de aumentar a segurança viária. Serão instaladas placas de sinalização de velocidade, reforçadas faixas de travessia de pedestres, reforçadas lombadas e colocadas rotatórias. Também haverá recuperação dos semáforos.

Ilustração: CET

Cada ônibus da CET "funcionará como uma gerência itinerante de engenharia de tráfego", onde serão recebidas sugestões da comunidade. Os veículos ficarão estacionados ao longo da próxima semana. Os primeiros bairros escolhidos para o programa, batizado de "CET no seu bairro", já foram mapeados pelos técnicos da empresa. Ao todo, 562 pedidos de sinalização foram registrados pelos profissionais nesses locais.

De acordo com o secretário municipal dos Transportes e presidente da CET, Jilmar Tatto, nos próximos meses a ação ocorrerá em outros bairros. Serão sempre sete por mês, totalizando 70 até o fim do ano. Além das intervenções viárias, haverá ações educativas relacionadas à segurança no trânsito em escolas e hospitais de cada região.

"A logística do programa prevê que todo mês, a partir de fevereiro, sete bairros distintos sejam atentidos", informou a CET em nota. A CET contará ainda com a participação de outros órgãos públicos, que também executarão melhorias. São eles a São Paulo Transporte (SPTrans), o Departamento de Iluminação Pública (Ilume) e a Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb), que "promoverão ações dentro de suas áreas de atuação".

Não foram divulgados custos totais para a execução do projeto. Os recursos sairão do montante arrecadado com a aplicação de multas de trânsito.

Ladeirão. O secretário Jilmar Tatto também falou sobre a sugestão da Polícia Militar para que a CET transforme em mão única o trânsito na Rua Doutor Francisco Thomaz de Carvalho, o chamado Ladeirão, no Morumbi, na zona sul da capital paulista. Ali, costumam acontecer muitos roubos.

"O que não pode é usar a CET para resolver o problema da segurança. A CET tem que trabalhar com a mobilidade. Se você for usar o critério para resolver o problema de segurança de começar a fechar rua, a mudar mão, cria um caos na cidade. Então, temos que saber separar", afirmou Tatto. "Aquela região, a CET vem estudando há muito tempo, porque é uma região problemática, não é de hoje, e a CET tinha um projeto pronto em relação a isso."

De acordo com Tatto, a CET se baseou primeiro em critérios dela própria, de mobilidade e circulação. "E aí, quando você consegue conciliar, ótimo. Você atende tanto a questão da circulação como a questão de um problema de segurança, que eu não sei se vai resolver. A gente corre o risco de duas quadras para a frente, onde o carro vai agora subir, os moradores de lá reclamarem. Por isso que não podemos usar a CET como critério de resolver o problema de segurança pública. Segurança pública exige competência, exige planejamento, exige estratégia, exige investigação, que é o que compete à polícia fazer", disse o dirigente.

Em nota, a CET informou que ainda não há data para o projeto sair do papel, mas que isso deve ocorrer "em breve". Ainda de acordo com a empresa, o projeto foi desenvolvido e aprovado por moradores e comerciantes do bairro, pela subprefeitura local e pela polícia. "Com as mudanças, a primeira quadra da Rua Doutor Francisco Thomaz de Carvalho (entre a Rua Pasquale Gallupi e a Avenida Giovanni Gronchi) passará a ter sentido único de circulação, descendo em direção ao Jardim Morumbi."

Já as vias paralelas ao Ladeirão, as Ruas Antônio Julio dos Santos e João Avelino Pinho Melão "terão mão única de circulação na primeira quadra, subindo em direção à Avenida Giovanni Gronchi. Na Rua Antônio Julio dos Santos, a primeira quadra se refere ao trecho entre a Rua Pasquale Gallupi e a Avenida Giovanni Gronchi. Na Rua João Avelino Pinho Melão, a primeira quadra é a que fica entre a Rua Ernest Renan e a Avenida Giovanni Gronchi."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.