MÁRCIO FERNANDES/ESTADÃO
MÁRCIO FERNANDES/ESTADÃO

CET testa SP sem Minhocão na Virada

No próximo sábado, elevado será fechado para trânsito de veículos às 15 horas; especialista critica, por considerar data um dia atípico

Bruno Ribeiro e Juliana Diógenes, O Estado de S. Paulo

13 Junho 2015 | 03h00

SÃO PAULO - A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) usará o fim de semana da Virada Cultural para testar o comportamento do trânsito do centro da cidade sem o Elevado Costa e Silva, o Minhocão. No próximo sábado, data do evento, a via elevada será fechada às 15 horas e só será devolvida aos automóveis na manhã de segunda-feira. 

O teste deverá ser um dos elementos usados em um estudo que a companhia vem conduzindo para determinar a viabilidade do não funcionamento do elevado aos sábados. Dependendo do resultado, o sábado seguinte, dia 27, também terá Minhocão liberado para pedestres, ciclistas e outros praticantes de esportes. 

O estudo, cujos resultados só devem ser divulgados no mês que vem, é feito paralelamente a uma discussão na Câmara Municipal sobre projeto de lei que determina o fechamento do elevado nos fins de semana. O vereador José Police Neto (PSD), autor do projeto - já aprovado em primeira votação, mas que depende de mais um turno de análise antes de ser levado à sanção do prefeito Fernando Haddad (PT) - comemora a realização da pesquisa. 

“Haddad foi convencido de que São Paulo produz espaços de lazer espontaneamente. Parque Minhocão é o maior exemplo. A cidade será mais humana e sustentável trocando carros por pessoas”, diz o vereador.

O prefeito, entretanto, lembra que é dele, e não da Câmara, o poder de regulamentar o trânsito da capital. “O trânsito da cidade não é regulado por lei. É regulado pela autoridade de trânsito. Ela que determina o que funciona e o que não funciona, a mão de ruas. Esses assuntos são típicos de autoridade de trânsito”, explicou Haddad.

“Para a Virada, nós precisamos fazer isso. Para ela acontecer da maneira como foi planejada, vai ter esse fechamento a partir das 15 horas. A CET vai estar acompanhando os fluxos até para dar uma resposta técnica para a sociedade. A sociedade, por meio da Câmara, está reivindicando análises dessas alternativas”, continuou o prefeito. Para Haddad, o fechamento do Minhocão para a Virada é uma oportunidade “para ver como é que a cidade reage” à perda do elevado como rota de escoamento do tráfego de automóveis particulares. 

Engenheiros de trânsito ouvidos pelo Estado dizem que o fim de semana da Virada Cultural não é o momento para fazer um teste assim. “Não adianta fazer nenhum acompanhamento. É dia atípico. Dia atípico só serve para comparar com dia atípico. Arroz com feijão se compara com arroz com feijão, caviar com caviar”, ironiza o engenheiro Luiz Célio Bottura, ex-ombudsman da CET. 

Para ele, um acompanhamento das reações da cidade durante o fechamento do elevado aos sábados só poderia ser feito em sábados comuns. “E por vários sábados seguidos”, completa o engenheiro. 

Entre as diferenças, o sábado da Virada terá interrupção de tráfego nas ruas próximas do Minhocão. Além da previsão de uma atração atípica de veículos para a região.

Plano Diretor. O novo Plano Diretor Estratégico (PDE) da capital prevê que, em 15 anos, algo deve ser feito com o Minhocão: fechamento, transformação em parque ou até a derrubada. A previsão de valorização da área já fez quatro empreendimentos imobiliários serem lançados na frente da via elevada - marcada pela degradação que trouxe aos prédios vizinhos no passado. 

Mais conteúdo sobre:
Minhocão CET trânsito São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.