CET irá ampliar fiscalização de motoristas que desrespeitam pedestres

São Paulo - A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) irá intensificar a partir de segunda-feira, 8, a fiscalização aos motoristas que deixarem de dar preferência aos pedestres durante a travessia. Segundo a CET, a  região central da capital e também a Avenida Paulista serão os primeiros pontos a terem maior fiscalização.

Marília Lopes - Agência Estado,

07 de agosto de 2011 | 14h44

Mais de 150 agentes de trânsito da CET, divididos em três turnos, irão participar da ação. Além de autuar os motoristas que desrespeitarem a faixa de travessia também irão fiscalizar a zona azul. Segundo a Companhia, os agentes receberam treinamento específico para reforçar seus conhecimentos sobre as infrações estabelecidas pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Para orientar os motoristas serão implantadas em cruzamentos, com e sem semáforos, 142 faixas de sinalização com os seguintes dizeres: Pare antes da faixa; Evite multas e pontos na carteira; A faixa é do pedestre. A CET também irá distribuir panfletos sobre o Programa de Proteção ao Pedestre em terminais de ônibus da capital.

Fiscalização. Em reportagem publica em julho pelo Estado, foi revelado que é pequeno o número de autuações por desrespeito aos pedestres em São Paulo. Dados da CET revelam que, em média, só três veículos são multados diariamente na capital por não darem prioridade a quem está a pé.

São três as principais infrações que comprometem a segurança dos pedestres: não dar preferência às pessoas na faixa, não aguardar o pedestre completar a travessia e deixar de dar atenção a ele nas conversões. Em 2010, a fiscalização dessas situações por agentes da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) de São Paulo resultou em 1.009 multas - uma quantidade pequena se comparada, por exemplo, à média de 5,7 mil veículos autuados por dia por furar o rodízio. Todas essas infrações estão previstas no CTB, que já vigora há 14 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.