Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

CET anuncia velocidade de 50km/h na Pacaembu e em mais 4 vias de SP

Na Avenida Angélica, trecho terá velocidade reduzida para 40 km/h; mudanças passam a valer a partir desta segunda-feira

Juliana Diógenes, O Estado de S. Paulo

13 de agosto de 2015 | 11h36

SÃO PAULO - No cronograma de redução da velocidade de ruas e avenidas de São Paulo, medida que será concluída em dezembro, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) anunciou nesta quinta-feira, 13, as próximas cinco vias que terão novos limites. A partir de segunda-feira, 17, a velocidade da Avenida Nadir Dias de Figueiredo, na zona norte, além da Avenida Doutor Abraão Ribeiro, a Avenida Pacaembu e a Rua Major Natanael, na zona oeste, passa para 50km/h. Já a Avenida Angélica, na região central, terá trechos com até 50 km/h e até 40 km/h. 

Hoje, a velocidade permitida nesses locais é de 60km/h.  A criação de uma "zona 50" na cidade faz parte do plano de redução de acidentes viários da Prefeitura. Conforme noticiado pelo Estado, até dezembro a Prefeitura de São Paulo vai padronizar a velocidade máxima de 50 km/h em todas as avenidas da capital, ou seja, as vias arteriais que fazem ligações entre bairros, têm semáforos e dão acessos a ruas secundárias. Os motoristas passarão a trafegar com o mesmo limite dos ônibus nas faixas exclusivas. As vias que permitem o acesso e a saída das arteriais, as ruas coletoras, deverão cair de 50 km/h para 40 km/h. 

O trecho de 4,4 quilômetros na zona oeste que terá redução de velocidade a partir de segunda conecta a Avenida Doutor Arnaldo à Ponte Jornalista Walter Abraão, conhecida como Casa Verde. De acordo com nota da CET, será mantida a velocidade regulamentada no trecho da lombada eletrônica da Rua Major Natanael, sentido Marginal Tietê, próximo à Praça Fagundes Varela, que já era de 50 km/h.

A velocidade máxima na Avenida Angélica vai ser reduzida para 50 km/h entre a Avenida Paulista e a Rua Baronesa de Itu. No percurso que vai da Rua Baronesa de Itu até a Rua Barra Funda, o limite será de 40 km/h, por ser uma área escolar e pelo número de pedestres que vão para a Estação Marechal Deodoro do Metrô, segundo a CET. Já na Avenida Nadir Dias de Figueiredo, a velocidade desce para até 50 km/h entre a Rua Curuçá e a Avenida Guilherme Cotching.

"São Paulo está liderando um processo importante para salvar vidas e melhorar as condições de funcionalidade da cidade, com menos acidentes, mais fluidez e obviamente com menos letalidade", afirmou o prefeito Fernando Haddad, na manhã desta quinta-feira, 13. Segundo dados da Prefeitura, o número de mortes em acidentes de trânsito subiu 8% em 2014, quando 1.249 pessoas morreram, ante 1.153 no ano anterior. A principal causa é o atropelamento, responsável por 45% das mortes.

Faixas começam a ser instaladas nesta quinta, para orientar motoristas sobre a mudança com alguns dias de antecedência. "Para implantação da redução de velocidade no eixo serão utilizadas 40 novas placas de sinalização vertical de regulamentação e advertência, além de faixas de vinil e banners nos principais acessos, alertando os motoristas quanto à mudança", informou a CET em nota.

Agentes da companhia vão acompanhar o comportamento do trânsito com a nova medida e estarão no local para orientar os motoristas.

Sinalização. O Estado havia adiantado que, para evitar confusão, a Prefeitura de São Paulo garantiu que, três dias antes de reduzir a velocidade de qualquer rua da cidade, vai adotar duas medidas: sinalizar com faixas as vias que passarão pela mudança e enviar comunicado à imprensa divulgando os endereços com os novos limites. 

Iniciado em 2013, o Programa de Proteção à Vida implementou ações como as faixas de pedestres diagonais em cruzamentos de grande movimento, o "CET no seu Bairro", a implementação de "Áreas 40" em vias coletoras e o "Frente Segura" - bolsões de parada junto aos semáforos para motociclistas e bicicletas. "Com isso, pretende-se melhorar a segurança dos usuários do sistema viário, buscando a convivência pacífica entre todos", explicou a CET.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.