HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO
HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO

Cepacs da Operação Água Branca encalham

Primeira tentativa da gestão Haddad de alavancar recursos para revitalizar região arrecadou apenas 9% do valor previsto

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

16 de março de 2015 | 03h00

Em meio a incertezas econômicas e a desaceleração da construção civil, a primeira tentativa da gestão Fernando Haddad (PT) de alavancar recursos para revitalizar a região da Água Branca, na zona oeste da capital, arrecadou apenas 9% do valor previsto. Os títulos da Operação Urbana Água Branca, leiloados na última quinta-feira, 12, na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), não tiveram valorização - em um dos lotes, não houve negociação.

Os títulos, os Certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepacs), permitem que seus proprietários construam imóveis com metragens acima das liberadas pelas leis de zoneamento. São eles que possibilitam o crescimento de uma região. Na prática, para o setor imobiliário, esses títulos deixam um terreno mais produtivo, pois é possível construir torres mais altas, com mais unidades.


Os Cepacs negociados permitiriam exploração maior de Lapa, Barra Funda e Perdizes. A Prefeitura ofereceu 50 mil títulos para potencializar terrenos residenciais, ao preço de R$ 1.548 cada, e 8 mil títulos para imóveis não residenciais, por R$ 1.769 cada.

A expectativa era de que a arrecadação ultrapassasse R$ 105 milhões. Iniciado o leilão, entretanto, os títulos continuaram na prateleira. A Bovespa registrou apenas dez transações, com 6 mil títulos residenciais, pelo preço original. Somada, a arrecadação foi de R$ 9,3 milhões. Entre os não residenciais, não houve registro de negociações: a arrecadação foi zero.

O humor do setor da construção civil já era um temor de parte do primeiro escalão da gestão Haddad, que conta com essa verba para viabilizar obras de parte de uma de suas promessas de campanha, o Arco do Futuro, conjunto de ações de revitalização da Marginal do Tietê.

Segundo pesquisa do Secovi, sindicato da habitação, a capital vive um momento de estoques cheios, o que freia novos investimentos. Em janeiro, foram lançadas 31,7 mil unidades na cidade, mas comercializadas apenas 21,6 mil.

A Prefeitura pode fazer novos leilões a qualquer momento. No total, a Operação Urbana Água Branca prevê arrecadar até R$ 1 bilhão - a Prefeitura determinou que a operação terá 3,7 milhões de Cepacs. 

Destino. O dinheiro será usado para obras de drenagem, aterramento de fios, melhoria do trânsito e uma nova ponte, interligando Lapa e Pirituba. Há ainda previsão de construção de cerca de 700 unidades de habitação de interesse social.

Procurada, a Prefeitura disse que não foi informada oficialmente sobre o resultado do leilão e preferiu não se manifestar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.