Centro tem 69% menos atropelamentos em 1 mês

Primeiro balanço parcial da campanha indica maior respeito aos pedestres mesmo em áreas não monitoradas

Renato Machado e Paulo Saldaña, O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2011 | 00h00

Ainda não é comum ver os carros pararem sempre que uma pessoa atravessa sobre a faixa de segurança na cidade de São Paulo. Mas o balanço do primeiro mês da campanha para aumentar o respeito aos pedestres aponta uma melhora nessa relação conflituosa, com uma redução de 69% na quantidade de atropelamentos em cruzamentos da região central monitorados pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

O levantamento foi feito em 35 cruzamentos considerados críticos da região central - foram os locais que registraram atropelamentos no ano passado, em um total de 103. Entre 11 de maio (data do lançamento da campanha) e 11 de junho, foram registrados apenas quatro acidentes desse tipo - nenhum deles resultou em morte. Foram 13 no mesmo período do ano passado.

A própria CET faz a ressalva de que os números não são absolutos e se referem a apenas uma parte dos cruzamentos. É possível que tenha havido, por exemplo, atropelamentos em outros locais da região central.

"Ainda é a indicação de uma tendência de queda nos atropelamentos e do respeito aos pedestres", diz a superintendente de Educação e Segurança da CET, Nancy Schneider. "Mas é um bom resultado e nas ruas nós já vemos alguns carros reduzindo a velocidade perto de cruzamentos e parando quando um pedestre avança", completa.

Um bom indicativo de que o comportamento dos motoristas está mudando é que a redução nos atropelamentos não aconteceu apenas onde há ações de conscientização. Apenas 7 dos 35 cruzamentos monitorados contam atualmente com "marronzinhos" ou com os orientadores de tráfego - que carregam uma "mãozinha" para sinalizar os motoristas que devem parar.

"Mostra que o respeito não está apenas onde colocamos os agentes ou os orientadores de tráfego, o que poderia indicar que as infrações voltariam quando eles saíssem", diz Nancy Schneider.

A redução nos atropelamentos nos principais cruzamentos não significa que as cenas de imprudência acabaram. Tanto de motoristas como de pedestres. No encontro das Avenidas Paulista e Brigadeiro Luís Antonio, a presença de um agente da CET, na tarde nublada de ontem, não impediu que alguns motoristas acelerassem o carro enquanto algumas pessoas faziam a travessia. Para chegar ao outro lado, os pedestres precisavam correr.

Pouco antes das 13 horas, o legista José Roberto, de 34 anos, passou por trás das grades de proteção do cruzamento e fazia a travessia bem longe da faixa. Questionado pela reportagem, Roberto afirma que já viu atropelamentos ali, mas "assume o risco". "Sei que fui imprudente. Culpa da pressa", disse. "Mas não me preocupo em respeitar essas regras. Acho que os motoristas têm é de ter mais consciência."

Não houve registro de atropelamento no cruzamento neste ano. A auxiliar administrativa Tatiane Simel, de 26 anos, não percebeu mudanças em relação à campanha. "Aqui nesta região os motoristas parecem ter mais respeito. Eu, pelo menos, ainda não fui atropelada", brinca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.