Central da CET flagra ladrões de câmeras

Dupla havia furtado 12 equipamentos de segurança no Ibirapuera, quando notou que estava sendo filmada; material deveria ir para ferro-velho

Tiago Dantas, O Estado de S.Paulo

03 de novembro de 2010 | 00h00

O servente Fábio Augusto Gomes de Oliveira, de 28 anos, e o desempregado William Ribeiro da Silva Rapanelli, de 22, não pensaram que furtar câmeras de sistemas de segurança implicaria risco de ser filmado cometendo o crime. A dupla foi presa ontem de madrugada, depois de ser flagrada por um equipamento da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) na região do Ibirapuera, zona sul da capital.

Antes da filmagem que os denunciou, Oliveira e Rapanelli haviam furtado 12 câmeras, segundo a polícia. Os equipamentos foram retirados de empresas, estabelecimentos comerciais e prédios residenciais do Ibirapuera ao longo da madrugada. Por volta das 5h30, a dupla tentou roubar uma câmera de dentro do Túnel Ayrton Senna. Ao notarem que outro equipamento os filmava, porém, eles desistiram.

As imagens de um dos assaltantes escalando o poste para retirar a câmera estavam sendo vistas por funcionários da CET na central de monitoramento da companhia, na região da Consolação, no centro. Os técnicos acionaram a Guarda Civil Metropolitana (GCM) e uma viatura acabou deslocada.

Os guardas-civis localizaram os dois suspeitos na Avenida Pedro Álvares Cabral, próximo do cruzamento com a Rua Sena Madureira. Dentro de uma mochila preta carregada por Rapanelli os guardas encontraram 12 câmeras de segurança dos mais variados tipos, uma talhadeira e uma ponteira. As ferramentas seriam usadas para arrancar os equipamentos dos suportes de forma rápida, segundo a polícia.

Os jovens foram levados para o 36.º DP (Paraíso), onde acabaram indiciados por furto. Eles teriam confessado os crimes, segundo a polícia.

Destino. Os investigadores suspeitam que os equipamentos furtados seriam vendidos para ferros-velhos e a dupla, que vive no extremo sul de São Paulo, poderia assim comprar drogas. As câmeras ficarão apreendidas enquanto seus donos não aparecerem. "Moradores do Ibirapuera, do Paraíso e da Vila Mariana que acharem que as câmeras de segurança dos seus prédios foram furtadas pela dupla podem ir ao 36.º DP para reconhecer os equipamentos", afirmou o delegado Evandro Lemos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.