Centenárias ganham campanha

Ideia é preservar 20 árvores mais antigas de SP

O Estado de S.Paulo

15 Outubro 2012 | 03h01

Lançada no fim de setembro, a campanha Veteranas de Guerra, da Fundação SOS Mata Atlântica mapeou as árvores mais antigas de São Paulo e selecionou 20 delas para tentar despertar nas pessoas a intenção de cuidar das espécies remanescentes da Mata Atlântica em São Paulo.

Baseada no estudo do botânico e ambientalista Ricardo Cardim, a campanha tem um fator de ineditismo, que é o de tratar da vegetação em meio ambiente urbano. "Hoje, oito de cada 10 brasileiros moram nas cidades. Mesmo assim, as pessoas se preocupam com a Floresta Amazônica ou com animais em extinção, mas quase ninguém se lembra de árvores que, em alguns casos, estão ao lado de suas casas", argumenta Cardim.

Uma das selecionadas é a Figueira das Lágrimas, no Sacomã, considerada a mais antiga da cidade já documentada. Situada na estrada que ligava o Porto de Santos à São Paulo do século 19, a figueira demarcava o final da cidade e servia como ponto de referência para viajantes.

"São espécies que sobreviveram a um fator predatório. Elas nasceram quando a cidade era rural e ainda havia Mata Atlântica por todos os lados. Resistiram às transformações e deveriam ser consideradas patrimônio ambiental da cidade", defende o biólogo.

Seleção. Sobre a escolha de focar a campanha em 20 árvores, Cardim diz que a decisão foi tomada porque esse é um número que as pessoas conseguem quantificar. "Claro que tem muitas outras que poderiam entrar na lista e a ideia é aumentar o projeto", conta. "Além de São Paulo, outras cidade, como o Rio de Janeiro, também possuem árvores centenárias que merecem uma campanha como essa." /M.F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.