Cenário: Estilo de Bergoglio põe papa Francisco sob risco nas ruas

O plano de segurança da visita provou que não resiste a uma ameaça, de resto, esperada: o estilo próprio de Francisco. Desde a sua escolha pessoal do automóvel - um pequeno utilitário Idea, da Fiat - até o itinerário e o formato do comboio, tudo esteve fora das regras de deslocamento de chefes de Estado, no Brasil e no mundo.

Roberto Godoy, O Estado de S.Paulo

23 Julho 2013 | 02h05

Os quatro agentes da guarda suíça que acompanharam o papa, e os muitos homens da Polícia Federal envolvidos, trabalharam pesado. Os piores momentos, na Avenida Presidente Vargas, ocorreram quando Jorge Bergoglio baixou o vidro da janela da porta traseira direita. O trânsito não foi inteiramente fechado e os carros da comitiva ficaram confinados entre dezenas de ônibus, sem espaço para sair pelas laterais. As pessoas cercaram o Idea e os seguranças foram obrigados a entrar na formação conhecida como "aranha" - três de cada lado do veículo, dois de costas para a multidão, um voltado para dentro, armas prontas para uso, conforme ficou evidente quando o paletó de um dos agentes abriu, exibindo o coldre, grande como uma submetralhadora e que, com certeza, não dispara balas de borracha.

O grupo de proteção se revezava, correndo de dentro do sedã blindado que abria cortejo para o automóvel do papa Francisco. A mesma dificuldade do isolamento se repetiria no trajeto feito com o papamóvel até a catedral. O suspiro de alívio só veio quando o pontífice embarcou no grande helicóptero Super Puma de pintura camuflada. Hoje, a agenda prevê dia livre. O papa vai querer sair - de casa e do roteiro. Jorge Bergoglio estará nas ruas do Rio.

Mais conteúdo sobre:
papa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.