Hélvio Romero/AE
Hélvio Romero/AE

Cemitérios vão funcionar até as 19h hoje em SP

CET e SPTrans montaram esquema especial de trânsito e transporte para principais locais de concentração; é esperado 1,4 milhão de visitantes

Ana Bizzotto, Diana Dantas, O Estado de S.Paulo

02 de novembro de 2010 | 00h00

Cerca de 1,4 milhão de pessoas devem visitar hoje os cemitérios da cidade de São Paulo para homenagear os mortos. Por isso, os 22 cemitérios municipais e o Crematório da Vila Alpina, na zona leste da capital, estarão abertos por uma hora a mais, das 7h às 19h, para visitação. Nos outros dias, voltam ao horário normal, das 7h às 18h.

Segundo a Secretaria Municipal de Serviços, até ontem, 600 mil pessoas já haviam passado pelos cemitérios da capital.

A SPTrans faz operação especial para facilitar a ida aos 39 cemitérios públicos e particulares da cidade. No total, 336 linhas de ônibus tiveram a frota reforçada e as partidas adequadas à demanda. Os ônibus operam com placas no vidro da frente indicando os cemitérios que atendem.

Também foi criada a linha 233F/10 Terminal A.E. Carvalho-Terminal Vila Carrão, que circula só hoje. E a linha 233C/10 A.E. Carvalho - Ceret opera com a programação dos dias úteis.

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) vai monitorar o trânsito nas imediações dos principais cemitérios com montagem de bloqueios, alterações de sentido de circulação, orientação de trânsito, travessia de pedestres e operacionalização das particularidades de cada local.

Como a data de Finados neste ano cai numa terça-feira, um dos dias mais movimentados da Feira das Flores da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), a expectativa é de que as vendas sejam expressivas.

"São vendidos, em média, 2 milhões de flores num dia de feira. A expectativa é de que hoje sejam vendidas 500 mil a mais", afirma o presidente do Sindicato do Comércio Atacadista de Flores e Plantas de São Paulo (Sincomflores), Paulo Murad.

Missas. O arcebispo metropolitano de São Paulo, cardeal d. Odilo Pedro Scherer, celebra missa no Cemitério São Paulo (Rua Cardeal Arcoverde, 1.250, Pinheiros), às 10h. Os outros cemitérios municipais também terão missas em horários variados.

Já o Grupo Memorial optou por uma programação diferenciada para a data, que inclui música e chuva de pétalas, em seus três cemitérios particulares: Jardim Vale da Paz, em Diadema, Memorial Parque Paulista, em Embu das Artes, e Memorial Bosque da Paz, em Vargem Grande Paulista. A ideia é lançar as flores de um helicóptero após a missa, ao som de violinos.

"O cemitério não é lugar só tristeza, é um lugar de homenagens. E pode ter um lado cultural", afirma o diretor do grupo, José Antonio Zuffo.

PARA ENTENDER

O Dia de Finados foi inicialmente celebrado nos mosteiros dirigidos pelo abade Odilon de Cluny, no século 10.º. A celebração foi perpetuada pelos papas, mas somente no século 14 passou a fazer parte do calendário da Igreja Católica. A data que sucede ao Dia de Todos os Santos foi a escolhida. São concedidas indulgências aos que visitam os cemitérios e participam da missa na intenção dos mortos.

No México, o Dia dos Mortos é uma celebração de origem indígena, que honra os defuntos no dia 2 de novembro - ela começa no dia 1.º e coincide com as tradições católicas. Além do México, a data também é celebrada em países da América Central e em algumas regiões dos Estados Unidos, onde a população mexicana é grande. A Unesco declarou a festa Patrimônio da Humanidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.