Celular desapareceu

INCOMPETÊNCIA DOS CORREIOS

O Estado de S.Paulo

31 Março 2012 | 03h04

Minha irmã, que mora nos EUA, veio visitar a família e esqueceu aqui o celular que usa para trabalhar. Enviei o aparelho pelos Correios no dia 1.º/2. No dia seguinte, soube pelos Correios que o objeto seguira para a Receita Federal e lá permaneceu. Liguei para a Ouvidoria dos Correios e a única resposta é de que devo aguardar. Estou indignado com a retenção de um bem alheio. Recorri à Ouvidoria da Receita, ao Ministério Público, e não obtive resposta. Gostaria que o jornal me ajudasse a exigir os meus direitos como cidadão.

ALBERTO ARGENTINO / SÃO PAULO

A Assessoria de Comunicação da Receita Federal em São Paulo

informa que tal mercadoria não chegou às mãos da Receita, que

possui sistema próprio de controle de entrada e saída de volumes postais. Pelo registro, a encomenda continua em trânsito. O leitor deve entrar novamente em contato com os Correios.

A Diretoria Regional dos Correios de São Paulo Metropolitana esclarece que o cliente foi informado, no dia 16/3/2012, por meio do sistema Fale com os Correios, que a encomenda tinha sido extraviada no

fluxo postal. A empresa está apurando o ocorrido para adoção das devidas providências e esclarece que o remetente já foi orientado sobre o processo de indenização.

O leitor revela: É uma total desorganização. A informação que recebi dos Correios era de que o celular estava retido na Receita Federal. Agora, a Ouvidoria dos Correios pediu para eu enviar de novo o código de rastreamento. Ao ir à agência do Shopping Center Norte, fui tratado com desprezo pela gerente.

É DIFÍCIL SER PEDESTRE

Atropelamento de idoso

Apelo à CET para que realize um estudo de sinalização para a Av. Rodrigues Montemor, no Jabaquara. A travessia da avenida está cada dia mais arriscada para quem é idoso, como eu, principalmente depois que foram retiradas as lombadas da Av. Rodrigues Montemor com a Rua Santo Estevan. Os condutores de veículos e de motos não costumam parar nesse cruzamento e entram na curva da avenida numa velocidade absurda.

RUBENS COLONEZI / SÃO PAULO

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) informa que logo após a Av. Rodrigues Montemor ser recapeada, a CET implantou projeto de sinalização que contemplou a repintura das faixas dupla amarela divisora de fluxos, travessia de pedestres nas proximidades da Av. Benigno Carrera e da Rua Antônio de Pinho de Azevedo. Também foram implantados dispositivos de canalização refletivos do tipo tachões nos trechos de curva acentuada. Para melhorar as condições de segurança aos usuários da via, a CET vai elaborar projeto para reforçar a sinalização de regulamentação de velocidade máxima permitida em 30 km e 40 km por hora no trecho entre as Ruas Santo Estevão e Antônio de Pinho de Azevedo.

O leitor relata: A CET só repintou as faixas de travessia na Avenida Rodrigues Montemor. Isso não foi feito na Av. Antonio Pinho de Azevedo, onde há um cruzamento. Apesar de haver placa de velocidade máxima de 40 km entre as Ruas Santo Estevan e a Antonio de Pinho de Azevedo, muitos não respeitam o limite. Na Av. Rodrigues Montemor com a Rua Santo Estevan havia uma lombada que foi retirada, quando foi feito o recapeamento. Deveria ter sido colocada, em substituição, uma faixa de travessia, pois centenas de crianças cruzam a rua para ir à escola municipal. Na esquina da Av. R. Montemor com a Durão, um motoqueiro entrou na contramão e me atropelou. Felizmente, não me machuquei muito. Ele ainda me deu "bronca". Do outro lado havia 3 motociclistas, presumo que a intenção era me agredir, caso eu, com os meus 76 anos, viesse a esboçar alguma reação.

PROTESTO CRIATIVO

Impostos vão para o buraco

Um buraco (ou seria uma cratera?) na Rua Monte Alegre, em Perdizes, passou dias atrapalhando o já difícil trânsito no cruzamento com a Rua Candido Espinheira. Um vizinho resolveu fazer um protesto criativo escrevendo em amarelo na via: "I love IPVA", indicando o buraco com setas. Uma maneira sintética e criativa para expressar a revolta que o paulistano sente ao ver seus impostos caindo para dentro do buraco da incompetência e da corrupção de nossos governantes.

MARCELO RIJO FURTADO

/ SÃO PAULO

A Subprefeitura Lapa diz que foi realizado conserto do buraco no dia 27/3, e posteriormente equipes de tapa-buraco realizaram a capa asfáltica nivelando o asfalto no local.

O leitor ironiza: Foi feito o remendo um dia depois de aparecer a pichação (talvez por causa disso). E não há nivelamento algum, as ruas estão cheias de saliências, como em toda a cidade. Quando teremos ruas dignas de serem assim chamadas?

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.