Celso Pitta já cumpre prisão domiciliar em São Paulo

Ex-prefeito tem prisão determinada por não pagar pensão alimentícia; defesa alega tratamento contra câncer

Carolina Ruhman, Agência Estado

24 Abril 2009 | 10h57

O ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta começou a cumprir prisão domiciliar após determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Pitta teve a prisão temporária decretada pelo juiz Francisco Antônio Bianco Neto, da 5ª Vara da Família da Capital, pela falta de pagamento de pensão alimentar à ex-primeira-dama Nicéa Camargo, no valor mensal de R$ 20 mil. Ele cumpre prisão desde a quarta-feira, 22, em sua casa na capital paulista

 

O ex-prefeito recorreu ao STJ, alegando que está com câncer e precisa de tratamento. A decisão foi revertida em prisão domiciliar no dia 17. Pitta ficará 30 dias preso. Segundo o advogado Marcel Leonardo Diniz, que defende Pitta, o juiz da 5ª Vara deve decidir nesta sexta-feira, 24, como será regulamentada esta prisão domiciliar.

 

A defesa de Pitta alega que ele está doente e precisa deixar a residência em alguns dias para tratamento de quimioterapia no Hospital Sírio-Libanês. De acordo com o advogado, Pitta terá uma sessão de quimioterapia na segunda-feira, 27, e o juiz deve determinar as regras da prisão domiciliar ainda nesta sexta.

Mais conteúdo sobre:
Celso Pittaprisão domiciliar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.