Celso Jatene suspende expansão das ciclofaixas na cidade

Secretário de Esportes, Celso Jatene diz que cidade vai ganhar apenas um trecho em 2012; gestão quer melhorar rede atual com médicos e mapas

Entrevista com

ADRIANA FERRAZ, DIEGO ZANCHETTA, O Estado de S.Paulo

24 Janeiro 2013 | 02h03

O programa de ampliação de ciclofaixas de lazer em São Paulo será paralisado pela gestão de Fernando Haddad (PT), pelo menos até que os trechos existentes sejam aprimorados. A afirmação foi dada ontem pelo secretário municipal de Esportes, Celso Jatene. Em entrevista à TV Estadão, o vereador pelo PTB e ex-delegado de polícia afirmou que sua pasta vai priorizar a qualificação da rede atual antes de estendê-la.

A ideia é oferecer serviços médicos aos usuários durante o período de funcionamento das vias, assim como mapas recheados com dicas culturais para que os ciclistas aproveitem os equipamentos públicos abertos aos domingos e feriados. "O objetivo é melhorar o que já existe. O único novo trecho que deve ser inaugurado, já nas próximas semanas, ligará a ciclofaixa da zona leste, na região do Parque Tiquatira, à ciclovia da Radial Leste", adiantou.

Criadas em 2010, as ciclofaixas ganharam ritmo acelerado de ampliação no fim da gestão do prefeito Gilberto Kassab (PSD), quando o programa chegou ao centro e ao extremo sul da cidade - a pressa rendeu inaugurações sem que as vias estivessem sinalizadas. Hoje, são 60 km de faixas em cada sentido, que reúnem cerca de 120 mil usuários. Com as melhorias, Jatene estima chegar a 200 mil nos próximos quatro anos.

Até 2016, o secretário também espera ver implementadas escolas em tempo integral na cidade. Autor do projeto de lei que criou o modelo em São Paulo, Jatene participará da sua execução, em parceria com a Secretaria Municipal da Educação. "Vamos ajudar a identificar locais que poderão receber os alunos da rede para a prática de esportes. Já selecionamos 17 dos 45 clubes escola que poderão participar, oferecendo espaço para construção de unidades de ensino", disse.

Já em parceria com o governo federal, Jatene planeja a construção de quatro centros esportivos para treinamento de modalidades olímpicas - dois a mais que o prometido por Haddad na campanha. "Já me reuni com o ministro dos Esportes, Aldo Rebelo (PCdoB). Identificamos áreas na Vila Maria (zona norte), Santo Amaro (zona sul), Pirituba (zona norte) e Vila Manchester (zona leste). Se tivermos projetos bons, que fiquem como legado, o ministério se mostrou disposto a mandar os recursos."

A busca de verbas com esferas públicas e privadas é determinação do prefeito Haddad que Jatene pretende cumprir à risca. O secretário vai se reunir nos próximos dias com representantes de redes de academias para apresentar um projeto que visa a dar bolsas integrais a idosos. "Seria feito um cadastro das interessadas, para posterior distribuição das vagas. Em contrapartida, a Prefeitura poderia estudar a concessão de ISS ou mesmo de IPTU aos empresários que aceitarem participar", explica.

Pacaembu. Ao assumir a secretaria, será Celso Jatene o responsável por impedir que o Estádio do Pacaembu, na zona oeste, se torne um "elefante branco" com a construção da arena do Corinthians, em Itaquera, na zona leste. "Temos de tratar o Pacaembu com muita responsabilidade, encontrar um parceiro em potencial que esteja interessado em administrar não só o estádio, mas os demais equipamentos esportivos, que devem ser abertos à população. E também vamos colocá-lo no programa de educação integral", afirmou.

No ano passado, o estádio recebeu 77 jogos e mesmo assim a Prefeitura precisou arcar com mais R$ 1,5 milhão para custear a estrutura do espaço, proibido pela Justiça de realizar shows. O bairro é tombado pelos órgãos do patrimônio. "Ainda não temos proposta, mas garanto que não vou embora da secretaria deixando o Pacaembu do mesmo jeito. Ele é um equipamento da cidade, não só dos moradores da região."

Além de integrar o espaço às escolas em período integral, o secretário também espera contar com o estádio para receber atividades aos sábados e domingos dentro do projeto "Esporte 24 Horas". Promessa de campanha de Haddad, a proposta deve ser iniciada em setembro.

"Nossa ideia é criar pequenas 'viradas esportivas' durante o fim de semana, em 31 pontos da cidade, um por subprefeitura. Seguiremos o modelo de Nova York que, quando implementou o programa tolerância zero (contra a violência), essa foi uma das alternativas preferidas da população", disse. Segundo Jatene, a ação visa a atrair a juventude.

Marquito. A nomeação de Celso Jatene, eleito em outubro do ano passado para o quarto mandato de vereador, concedeu ao humorista Marquito uma vaga na Câmara Municipal. Polêmica, a substituição rende questionamentos ao atual secretário, a maioria por e-mail. "Mas o número de pessoas que têm me desejado boa sorte nessa nova missão é muito maior que o número de eleitores que me cobram por isso. E é bom esclarecer que o Marquito não é meu suplente, é suplente do meu partido."

A pouca experiência de seu sucessor na política não deve impedir que ele cumpra um bom mandato, segundo Jatene. "Ele seguiu o mesmo caminho que eu. Se filiou a um partido, requereu legenda para ser candidato e submeteu seu nome à população, que lhe deu mais de 22 mil votos. Além disso, o Parlamento não é a casa do povo?" / COLABOROU FELIPE TAU

Aos 54 anos, o vereador e ex-delegado da Polícia Civil assume pela primeira vez um cargo no primeiro escalão do serviço público. Filiado ao PTB, foi eleito em outubro para um quarto mandato consecutivo na Câmara Municipal. Foi autor de leis que criaram o ensino integral e o programa de prevenção de incêndios na cidade. Sempre atuou na área de esportes e nos últimos anos firmou reduto entre os sambistas, sendo uma espécie de porta-voz das escolas de samba da capital.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.