Catedral da Sé usa empresa para atrair casamentos

Antes só eram realizados três por ano; a partir deste ano, a ideia é que sejam duas cerimônias às sextas e três aos sábados

NATALY COSTA, O Estado de S.Paulo

03 Janeiro 2013 | 02h03

Um dos maiores cartões-postais de São Paulo, a Catedral da Sé já é objeto de fotos de turistas e adoradores do centro em geral. Agora, vai dividir espaço com convidados em roupas sociais, damas de honra e noiva com véu e grinalda. Este ano, a igreja entra no roteiro de locais para casar na cidade.

Não que antes fosse proibido, mas eram feitas apenas três cerimônias por ano, em média, porque o local não tinha um setor dedicado à organização desse tipo de evento. Mas uma empresa foi contratada para organizar a festa, a mesma que promove os casamentos do Mosteiro de São Bento, outro local histórico bastante procurado por noivos.

Casar na Sé vai custar R$ 3 mil, com direito a usar, além do espaço físico, o órgão da catedral e a quantidade de funcionários que for necessária para deixar tudo funcionando. A ideia é que as cerimônias aconteçam em dois horários às sextas, às 19h e às 20h, e em três aos sábados, às 18h, 19h e 20h. Ideal para quem tem muitos convidados, a capacidade é para até 900 pessoas - mas o espaço pode ser rearranjado, se for o caso. "Existe a falsa impressão de que a catedral é muito grande, mas é possível colocar 250 convidados com a área central tomada", explica Alessandra Paciullo, diretora da Múltipla Eventos, responsável por organizar a hora do "sim" na Catedral da Sé para futuros casais. Ainda há muitas datas disponíveis.

Em outubro do ano que vem, é a vez da advogada Tatiana Pasin Ventura, de 33 anos, arrastar o véu pela nave central de quase 60 metros da Sé, uma das maiores da cidade. O lugar foi escolha do noivo, o advogado Alessandro Cantalejo. "Ele ama o centro de São Paulo, sempre quis casar na região. No começo tive um pouco de receio por causa do tamanho, mas a lista de convidados já tem 400 pessoas e toda hora aparece mais um", diz Tatiana. "A igreja é maravilhosa, irretocável. É casar em um patrimônio da cidade."

Histórico. Tombada pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico (Conpresp), a Sé não é o único lugar histórico e turístico para casar em São Paulo - o Mosteiro de São Bento e o Pátio do Colégio já têm uma grande tradição nesse tipo de cerimônia. No site do mosteiro tem até um guia virtual em PDF, com 30 páginas, que pode ser impresso e traz todas as dicas e regras de utilização do espaço. A organização não divulga os preços para casamentos no mosteiro, que acontecem apenas aos sábados, às 18h30 e às 19h30.

Inédito. Geralmente o Mosteiro de São Bento já fica com agenda cheia por até um ano e meio, mas, em 2013, a basílica do mosteiro ficará fechada para obras de restauro por um período ainda não determinado, e os noivos que procuram o espaço ainda esperam confirmação das datas para saber se a cerimônia vai poder ser realizada.

Os que têm menos convidados estão recebendo a orientação para escolher a capela do mosteiro, com capacidade para 200 pessoas. "É um local menor que nunca foi aberto para a realização de casamentos, um local ainda inédito na cidade", diz Alessandra. Na basílica cabem 650 pessoas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.