Catadores garimpam restos do Pinheirinho

A área de 1,3 milhão de metros quadrados do Pinheirinho, em São José dos Campos, no interior paulista, virou garimpo após a demolição dos imóveis. Moradores e curiosos têm ido ao local para recolher bens. Bichos de estimação deixados para trás após a reintegração no domingo passado também são resgatados. O terreno agora voltou à massa falida da Seleta S.A., de Naji Nahas.

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS , O Estado de S.Paulo

27 de janeiro de 2012 | 03h08

"Não tenho como trabalhar, minhas ferramentas estão no entulho. Vim procurar minha gata", disse o pedreiro Aguinaldo de Andrade. Enquanto conversava com a reportagem, ele reencontrou seu bicho. Agora, Andrade vai para casa de parentes.

A aposentada Cecília Moreira, moradora do bairro em frente ao terreno, disse que aproveitou para "recolher as plantinhas que os moradores deixaram". Catadores questionados pela reportagem disseram que recolhem bens para parentes e amigos.

Para evitar saques, há quem tenha preferido destruir a casa. Joana Martins, de 22 anos, incendiou o barraco onde morava com a irmã e a filha. "Vou pegar fio de cobre e fazer dinheiro."

A Polícia Militar afirmou ontem em nota que a operação ocorreu "dentro da legalidade e com o respeito incondicional aos direitos humanos". O governo do Estado e a prefeitura firmaram convênio para dar auxílio-moradia às famílias. O Estado anunciou 5 mil moradias na cidade. / GERSON MONTEIRO, ESPECIAL PARA O ESTADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.