Caso Villela: polícia pede preventiva de delegada e outros 4

Martha Vargas, que investigou morte de ex-ministro do TSE, está entre os suspeitos do crime, ao lado da filha dele

Leandro Colon / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2010 | 00h00

A Polícia Civil pediu ontem a prisão preventiva de cinco pessoas suspeitas de envolvimento na morte do ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) José Guilherme Villela, de sua mulher, Maria Carvalho, e da empregada Francisca Nascimento da Silva. Entre os suspeitos está a delegada que primeiro investigou o crime, Martha Vargas.

Eles foram assassinados com 73 facadas, em 28 de agosto de 2009, no apartamento onde moravam, em uma quadra nobre de Brasília. O pedido da polícia atinge a filha do casal, Adriana Villela, o marido dela, João Tochetto, a delegada Martha, o policial José Augusto Alves e a vidente Rosa Maria Jaques.

Todos são suspeitos de atrapalhar as investigações. O Ministério Público dará um parecer sobre o pedido e o enviará ao juiz Fábio Francisco Esteves, do Tribunal do Júri do DF, que decidirá pela prisão ou não dos acusados.

A arquiteta Adriana Villela já havia sido presa anteriormente, mas conseguiu o direito a uma "liberdade restrita" da Justiça. Os delegados da Coordenação de Investigação de Crimes contra a Vida (Corvida), encarregados da investigação, apontam Adriana como mentora do crime. O motivo seria o patrimônio de mais de R$ 10 milhões do casal.

A Corvida não apresentou indícios consistentes para sustentar a acusação. O que se destaca no processo é a troca de acusações entre os policiais encarregados da investigação. Uma das provas seria a identificação das impressões digitais de Adriana no apartamento do casal.

Outro ponto seria sua suposta ligação com a vidente Rosa Maria Jaques, que se colocou à disposição da delegada Marta para apontar os criminosos e conduziu os policiais até três supostos suspeitos. Com dois deles, a polícia teria encontrado uma chave do apartamento dos Villela. Eles foram presos, mas as prisões foram relaxadas por falta de provas consistentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.