Caso Miguel: sem pólvora em uniforme de suspeito

Laudo do Instituto de Criminalística (IC) divulgado ontem confirma que a mochila e o uniforme escolar do menino suspeito de ter atirado acidentalmente em Miguel Cestari Ricci Santos, de 9 anos, foram lavados. Os peritos apuraram que não havia sinais de pólvora na mochila e nas roupas. A calça e a camisa escolar estavam úmidas quando foram analisadas. O crime aconteceu no dia 29 de setembro na Escola Adventista de Embu das Artes, na Grande São Paulo.

Josmar Jozino, O Estado de S.Paulo

09 de outubro de 2010 | 00h00

O exame residuográfico foi feito para detectar se havia sinais de pólvora na bolsa e na roupa do suspeito. O menino, aluno da escola, completa 10 anos hoje.

De acordo com o delegado Carlos Eduardo Vieira Ceroni, do Setor de Homicídios da Seccional de Taboão da Serra, relatos de testemunhas apontam o menino suspeito como autor do tiro.

Os pais do garoto negaram o envolvimento do filho no episódio e disseram não ter armas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.