Caso Joaquim começa a ser julgado em setembro

Primeira audiência com testemunhas de defesa e acusação será realizada nos dias 11 e 12

Rene Moreira - Especial para o Estado, O Estado de São Paulo

12 de junho de 2014 | 14h34

A morte do menino Joaquim Ponte Marques, de 3 anos, já tem data para começar a ser analisada pela Justiça. A primeira audiência do caso foi marcada para os dias 11 e 12 de setembro em duas sessões nas quais serão ouvidas testemunhas de acusação e defesa dos réus, que também poderão ser chamados a depor.
 
São acusados pela morte do menino o seu padrasto Guilherme Longo e sua mãe Natália Ponte. Ela chegou a ficar presa, mas está solta desde janeiro e aguarda o julgamento em liberdade. Já Guilherme permanece preso e nesta semana seu advogado ingressou com um novo recurso na tentativa de libertá-lo.
 
A defesa do padrasto de Joaquim alegou justamente a demora do julgamento como argumento para que seu cliente fosse libertado, mas o pedido acabou negado nesta quarta-feira (11) pelo Tribunal de Justiça de São Paulo. Tanto ele quanto Natália Ponte respondem por homicídio triplamente qualificado. No caso dele ainda pesa a denúncia por ocultação de cadáver.
 
Histórico. Joaquim Ponte Marques sumiu de sua casa em Ribeirão Preto, em novembro do ano passado, e uma semana depois foi localizado boiando no Rio Pardo, em Barretos (SP). Natália e Guilherme são réus na ação porque, na versão da polícia e do Ministério Público, o padrasto teria matado a criança com uma dose excessiva de insulina e jogado o corpo no córrego perto de sua casa e que vai desaguar no rio.
 
A mãe responde porque, mesmo não participando diretamente do crime, teria sido omissa por saber do perigo que o filho corria ao viver no mesmo ambiente que o padrasto. Os dois negam qualquer participação na morte da criança. 
Tudo o que sabemos sobre:
Caso JoaquimSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.