Caso Isabella: pedreiro relata arrombamento em sobrado vizinho

Arrombamento teria passado despercebido porque nada foi levado do local

da Redação, estadao.com.br

10 de abril de 2008 | 13h24

Um pedreiro que trabalha na obra de um sobrado localizado nos fundos do prédio onde a menina Isabella Nardoni morreu diz que o local foi arrombado. Chamado a depor sobre o caso, Gabriel dos Santos Neto chegou por volta das 12h15 desta quinta-feira ao 9º Distrito Policial, do Carandiru, na Zona Norte de São Paulo. VEJA TAMBÉMPolícia prevê 19 depoimentos do caso Isabella nesta semana Investigação sobre morte de Isabela aposta em exame de DNAVídeo mostra ida de família Nardoni a mercado antes do crimeDefesa de Nardoni espera decisão sobre habeas-corpus até 5ªEscute por que crimes assim comovem a sociedadeTudo o que já foi publicado sobre o caso Isabella   Ele foi o primeiro funcionário que chegou para trabalhar no sobrado por volta das 18 horas do domingo, 30 de março, dia seguinte à morte da menina e avisou o encarregado da obra que percebeu sinais de que alguém teria entrado no local. O possível arrombamento poderia ter passado despercebido, já que nada foi levado. As informações são da TV Globo. O encarregado da obra, que pediu para não ser identificado, conta que o pedreiro encontrou o portão aberto e o cadeado teria sido quebrado. "Mas podem ter sido garotos, porque cai bola aqui. Já aconteceu de mexerem no portão, de pularem aqui", ponderou. O sobrado é separado da churrasqueira do prédio onde moravam o pai e a madrasta de Isabella por um muro coberto por uma cerca elétrica. É fácil pular de um lugar para outro. Qualquer pessoa que subisse na churrasqueira poderia ter pulado. A cerca elétrica que fica sobre o muro estava desligada na noite do crime.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.