Casas vizinhas a Renascer não tem prazo para liberação

Imóveis interditados só vão ser liberados após o fim da demolição do templo, previsto para terminar nesta sexta

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

05 Fevereiro 2009 | 14h12

Os moradores de oito casas vizinhas ao prédio da Igreja Renascer em Cristo, que desabou há quase 20 dias, na região do Cambuci, zona leste de São Paulo, ainda não têm previsão de quando poderão retornar para as suas casas. Somente após o término da demolição do templo, começará a avaliação dos imóveis vizinhos e, para evitar transtornos aos moradores, a Subprefeitura da Sé vai acelerar o processo burocrático.   Veja também:  Forro da Igreja Universal desaba em Campinas  Bispo vai depor sobre desabamento do templo  Galeria de fotos: imagens do local e do resgate às vítimas  Todas as notícias sobre o desabamento na Igreja Renascer        O término da demolição do templo deve ser finalizado nesta sexta-feira, 6, segundo a Renascer. Após a finalização, a igreja deverá comunicar a conclusão dos trabalhos à Subprefeitura da Sé para que, em seguida, um engenheiro do órgão compareça ao local para vistoriar casa por casa e se possível liberá-las, dependendo da situação de risco de cada uma.   O processo para liberação de um imóvel passa obrigatoriamente por um pedido de encerramento da interdição do imóvel. Para isso, os moradores têm que ir até o balcão de atendimento da Subprefeitura da Sé, preencher um formulário e aguardar a decisão da subprefeitura.   Para evitar mais transtornos aos moradores, a subprefeitura quer pular esta etapa burocrática, autorizando o engenheiro responsável pela liberação de fazê-la junto com os moradores. Ele irá vistoriar as condições do imóvel para saber se os moradores não correm riscos ao entrar nas casas.   As residências foram interditadas pela subprefeitura pois algumas foram atingidas por pedaços que se desprenderam do teto da Igreja. O teto do templo desabou no último dia 18, provocando nove mortes e deixando mais de cem feridos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.