Sergio Neves / AE
Sergio Neves / AE

Casamento à vista? Já tem curso até de lista de presente

Aulas de dança, etiqueta e de como fazer a própria aliança viram mania entre noivos; professores também dão dicas para o vestido

Valéria França, O Estado de S.Paulo

05 de setembro de 2010 | 00h00

Qual é o tipo de festa que posso dar no meu casamento? Como monto a lista de presentes? Qual o vestido adequado para o horário da cerimônia? Todos essas dúvidas e tantas outras que aparecem na hora de planejar o casamento são respondidas em cursos e workshops para noivos organizados por banqueteiros, assessores e lojistas.

Parece simples, aliás, muito simples, montar uma lista de presentes, por exemplo. "É uma loucura", diz a advogada carioca Karina Borges Miranda, de 26 anos, que vai casar em outubro do ano que vem com o médico Thiago Cavalcanti, de 27 anos. Eles moram em São Paulo, mas a cerimônia será em Volta Redonda, no Estado do Rio. "A gente acha que basta deixar uma lista numa loja. Mas aí tem convidado que não acessa a internet, outro que não quer dar nada da lista e, pior, aquele que compra algo similar em outro endereço comercial diferente do indicado. E você perde o controle do que vai ganhar."

Karina foi uma das dez noivas que assistiram ao curso de Cecilia Dale, dona de uma loja homônima de presentes e objetos de decoração em São Paulo, sobre como organizar uma lista de casamento. "Aprendi que não adianta colocar apenas o que eu quero ganhar. Devo escolher também itens que as pessoas querem dar." Em algumas lojas, os presentes viram créditos, e a noiva decide o que levar depois.

"A noiva deve agradecer cada presente recebido antes do casamento, porque depois não dá tempo", diz Cecilia. "E pode receber o que escolher aos poucos. Não precisa entupir a casa com os pacotes. Ela pode gastar seus créditos aos poucos", afirma a comerciante. Mas nem toda loja funciona assim.

O mercado é imenso. Só o Casar, maior evento do setor, que ocorre uma vez por ano, reúne mais de cem grandes fornecedores. As noivas recorrem às pesquisas e dicas encontradas na internet e em revistas. "Tem muita coisa na web, mas os cursos dão segurança", explica Karina.

Etiqueta. "Tem noiva que não sabe o básico, como a diferença entre um vestido de tafetá e um de crepe", diz Maria Tangrê Wolff, há 25 anos no mercado, que dá aulas de etiqueta. "Explico que as noivas devem ser mais gentis na hora de planejar o casamento. A mãe da noiva e a sogra também têm direito de opinar", afirma. "E a noiva não deve brigar por besteiras, para que o casamento não vire um pesadelo. Discutir por causa da cor da fita do bem-casado, não é raro, mas não vale a pena", aconselha. Sócia da assessoria de casamentos que leva seu nome, Romy Godoy & Tangrê Wolff, ela dá cursos esporádicos. As próximas turmas começam em outubro. O custo depende do número de participantes.

"Casamento não pode ser um espetáculo", orientou o banqueteiro Marcelo Sampaio, em uma palestra na semana passada. "Os noivos têm de manter a identidade ao realizar uma festa", disse aos "alunos". "Se o casal gosta de cerveja, tem como servi-la de maneira elegante." Para noivos com esse perfil, já montou um boteco, em um cantinho do salão, com uma degustação de comidinhas. "Foi um sucesso."

Na sala, a ideia ganhou adeptos. O médico Thiago Azuaga, de 29 anos, olhou para a noiva, a médica Ana Paula Tarsinato, de 25, que se inscreveu na palestra porque não tinha noção por onde começaria a planejar o casamento. Ali, o estilo da festa começou a se desenhar. "Cuidado com as pessoas que dizem que a moda é soltar bolha de sabão na entrada da noiva", afirmou Sampaio, em alusão a "regras" preestabelecidas para as cerimônias. Ele não cobrou nada, mas ganhou a simpatia da plateia.

Dança. Carlos Romã e Silvana Lambert, de 50 anos, vão trocar a valsa pelo bolero na hora da dança dos noivos. E decidiram aprender os passos em uma aula especialmente montada para noivos na Dança & Cia Saggitance, na Pompeia, zona oeste da capital.

"Adoro fazer uma coreografia mais romântica", diz Ana Bernal, da Cia Terra, que dá aula para noivos há dez anos. "Tem gente que aparece na véspera e, em uma aula, o máximo que dá para aprender é o básico da valsa", diz. Ela cobra R$ 100 a aula.

"Os alunos precisam desenvolver ritmo, noção de espaço e postura", diz o bailarino e professor J.C. Violla. "E isso não se aprende em uma aula só", completa. Ele monta grupos pequenos para noivos e padrinhos. O professor leva os alunos a descobrir o próprio estilo. "A dança é uma oportunidade de os noivos se conhecerem de um outro jeito", explica. "Na dança, você dá segurança para levar e ser levado, divide o mesmo ritmo. Coisas que servem para a vida toda."

PRESTE ATENÇÃO...

1. Dinheiro. É importante saber exatamente o quanto se tem para gastar no casamento. Só assim é possível decidir o estilo e o tipo da cerimônia que será preparada.

2 Convidados. Veja quantas pessoas o seu orçamento permite. Não lote a festa. Não é preciso convidar quem não conhece. Ninguém tem a obrigação de chamar aquela tia que nunca viu.

3.Pesquise. Procure sempre se informar sobre as empresas que vão trabalhar no casamento. Esse é um ramo em que a noiva só testa amostras, seja de doces, de bebidas ou de flores. Ela não tem certeza de como vai ficar depois. É sempre bom falar com outras noivas que já usaram as mesmas empresas.

4.A festa. Organize uma comemoração que tenha a sua cara. Não queira ser um personagem fixo dentro do próprio casamento. Não há problema em fazer, por exemplo, uma festa que sirva cerveja, se for isso que você gosta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.