Casal suspeito por morte de estudante na Unicamp é preso

Justiça autorizou prisão temporária de Maria Tereza Peregrino e Anderson Mamede; atendente confessou crime e alegou legítima defesa

Marcelo Villa - especial para O Estado

28 Setembro 2013 | 11h13

O casal suspeito de envolvimento no assassinato do universitário Denis Papa Casagrande, de 21 anos, durante uma festa no campus da Unicamp, em Campinas (SP), foi preso na noite dessa sexta-feira, 27. A prisão temporária, por 15 dias, a pedido da Polícia Civil, ocorreu após autorização da Justiça. Os suspeitos, integrantes do movimento punk, foram detidos em casa e não ofereceram resistência.

A atendente Maria Tereza Peregrino, de 20 anos, foi levada para a cadeia feminina de Paulínia (SP). Ela confessou ter dado a facada na vítima em meio a uma briga ocorrida na festa, na madrugada do último sábado. O namorado dela, Anderson Mamede, de 21 anos, foi encaminhado para a cadeia anexa ao 2º Distrito Policial de Campinas.

Eles foram presos às 23h e os advogados que representam Maria Tereza chegaram à delegacia pouco depois da meia-noite. Nenhum dos suspeitos deu declarações à imprensa e os advogados apenas disseram que iriam levantar informações sobre as prisões.

Segundo o delegado Rui Pegolo, que conduz o inquérito, as detenções são necessárias "para que a investigação seja concluída". Os mandados de prisão foram expedidos pelo juiz da 2ª Vara do Júri, José Henrique Torres.

Antes das prisões, na tarde dessa sexta, os advogados de defesa disseram que vão pedir à polícia exame toxicológico da vítima. Para isso, será necessária a exumação do corpo, sepultado em Piracicaba. A defesa sustenta que Maria Teresa desferiu a facada em Casagrande ao ter sido assediada pelo universitário. O namorado dela confessou ter golpeado a vítima com um skate. A família da vítima não acredita na versão de "legítima defesa" e descreve que o estudante era um "rapaz tranquilo".

Mais conteúdo sobre:
unicamp

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.