Divulgação
Divulgação

Casal juntou 75 caminhões de lixo dentro de casa

Entulho está sendo retirado desde outubro; situação foi descoberta depois que agentes foram proibidos de entrar na residência

Brás Henrique, O Estado de S.Paulo

06 de novembro de 2010 | 00h00

Um casal de idosos de Jaboticabal, no interior paulista, mantinha em sua casa lixo e entulho suficientes para encher ao menos 75 caminhões. Desde o fim de outubro, a prefeitura da cidade está fazendo a retirada do material, que teria sido reunido em 30 anos. O homem, de 63 anos, e a mulher, de 67, espalharam os resíduos pelos cômodos e quintal do imóvel. Não há estimativa do peso do que foi recolhido.

"Fizemos uma ação conjunta de diversos órgãos da prefeitura por causa dos problemas de saúde pública", diz a chefe de gabinete da Secretaria de Saúde de Jaboticabal, Tatiana Pelegrini. O trabalho de retirada do lixo tornou-se público ontem, mas começou no dia 25 de outubro. Em sete dias, foram enchidos 75 caminhões. O serviço continua na segunda e talvez na terça-feira.

A casa dos idosos, no bairro Nova Aparecida, região nobre da cidade, é grande e tem um amplo quintal. Vizinhos já tinham denunciado a situação aos órgãos públicos, sem sucesso.

Nos últimos meses, o casal não autorizou a entrada de agentes de controle de vetores, que faziam o trabalho de prevenção da dengue, à procura de focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença. Neste ano, Jaboticabal registrou uma epidemia de dengue. Tatiana procurou a filha do casal, que concordou com a ação para a retirada do lixo.

A mobilização da prefeitura também teve o apoio do Ministério Público Estadual (MPE). O quintal estava lotado de entulho. Três cômodos anexos à casa também estavam cheios. Nos oito cômodos do imóvel era difícil encontrar um espaço livre.

Segundo a Secretaria de Saúde, o casal vivia em condições sub-humanas. Foram encontrados alimentos vencidos, mas Tatiana diz que não é possível afirmar se eram consumidos. No local também havia vários animais: cães (recolhidos para castração), coelho, galinha e papagaio e pássaros em gaiolas, que foram recolhidos pela Polícia Ambiental. "O ambiente era precário, mas eles tinham carinho pelos animais", comenta Tatiana. "Mas era impossível cuidar dos bichos se não cuidavam deles mesmos", disse.

No meio de tanto entulho, os funcionários da prefeitura ainda localizaram uma arma e munições. Todo o lixo recolhido foi levado para o aterro sanitário municipal.

Internação. O casal foi avaliado física e psicologicamente e não apresentou problemas. A mulher está internada desde anteontem para observação clínica e o homem continua na casa. A prefeitura procura agora a filha do casal, que sumiu após negociar a retirada do lixo. "Nosso objetivo é também resgatar esse vínculo familiar", diz Tatiana.

A meta, agora, é entregar ao casal o domicílio em condições de moradia e inseri-los em programas sociais da prefeitura. No passado, o casal não teria aderido às regras e sido excluído dos programas. O Fundo Social de Solidariedade deverá fornecer uma cesta básica.

Outro esforço é aposentar a mulher. No meio de tanto lixo, os documentos dela não foram encontrados, mas o Conselho Municipal do Idoso já foi acionado e está auxiliando na papelada. Para aposentar o idoso serão necessários mais dois anos. Ela sempre foi dona de casa e ele faz bicos como pedreiro ou jardinagem e já trabalhou na roça. Segundo informações dos vizinhos, o casal também trabalharia com reciclagem de lixo.

A prefeitura informa que há outras denúncias de imóveis na mesma situação, mas isso será verificado posteriormente. Por enquanto, a meta é resolver o caso dos idosos.

PARA LEMBRAR

Em 2006, casa em SP tinha 250 t de lixo

Em julho de 2006, funcionários da Subprefeitura de Pinheiros retiraram 250 toneladas de lixo de um sobrado no Itaim-Bibi, na zona sul da capital paulista. A moradora, Violeta de Carvalho Martinez, então com 70 anos, disse que acumulava os objetos havia 20 anos e exigiu que os funcionários da subprefeitura parassem de recolher o material, que preenchia todos os cômodos da casa. "Quase desmaiei quando vi tudo indo embora. Levaram tanta coisa minha que está fazendo falta", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.