Casal homossexual é agredido no Rio por taxistas clandestinos

Vítimas se negaram a fazer corrida com eles na saída do Galeão; agressores foram presos por tentativa de homicídio

FÁBIO GRELLET / RIO, PRISCILA TRINDADE, O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2012 | 03h03

Dois taxistas clandestinos foram presos ontem acusados de agredir dois homossexuais que se recusaram a fazer uma corrida com eles quando saíam do Aeroporto do Galeão, no Rio.

Segundo a Polícia Civil, o casal foi abordado por um dos taxistas, que ofereceu uma corrida. Como os dois possíveis clientes se recusaram a entrar no táxi, o motorista começou a xingar e depois a agredir o casal com socos e chutes. Um rapaz tentou interromper a briga, mas o segundo taxista também entrou na confusão e a agressão continuou. Quando uma das vítimas caiu, o segundo taxista chutou sua cabeça. A briga só parou com a chegada de seguranças do aeroporto e policiais. As imagens foram gravadas por câmeras de segurança do local.

A vítima agredida com chute na cabeça fraturou ossos do rosto e está internada em um hospital da Ilha do Governador, na zona norte do Rio. Ele não corre risco de morte.

Um dos taxistas, de 31 anos, foi preso logo após a agressão. O outro, de 41 anos, fugiu, mas foi identificado e detido ontem à noite. Ambos foram indiciados por tentativa de homicídio.

Pará. Dois homens foram presos por espancar e enterrar vivo um professor de 50 anos no município de Altamira, no Pará. Segundo a Polícia Civil, um dos agressores mantinha um relacionamento amoroso com a vítima.

Jefferson Gomes Mello, de 21 anos, e Thaisson Santos de Souza, de 23, roubaram o carro, dinheiro, cartões de crédito e outros objetos de valor de Anízio de Araújo Uchôa Filho, na noite de quinta-feira.

Os dois foram até a casa do professor, que foi ameaçado com uma faca por um dos agressores. Em seguida, o outro suspeito imobilizou a vítima. Os dois amordaçaram o professor com uma fita adesiva e amarraram as mãos e os pés de Uchôa. Depois, a dupla saqueou a casa. Eles pegaram cartões de crédito, um notebook, um telefone celular, um aparelho MP4 e R$ 1.150 em dinheiro. Em seguida, a dupla carregou a vítima desmaiada até o carro, junto com os objetos roubados.

O professor foi levado para uma área de mata na Rodovia Transamazônica, onde foi espancado. Uchôa foi jogado em uma vala e coberto por terra e folhas. A vítima sobreviveu aos espancamentos, se desenterrou e andou até a rodovia, onde conseguiu pedir ajuda para acionar a polícia. No dia seguinte, a dupla foi presa. Os dois confessaram o crime em depoimento.

O professor permanece internado no Hospital Regional de Altamira. Ele teve fraturas no maxilar e em um dos braços, além de vários ferimentos pelo corpo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.