Reprodução Google Maps
Reprodução Google Maps

Casal de escreventes é encontrado morto a tiros dentro de casa em Sorocaba

Polícia Civil encontrou um revólver calibre 38 próximo dos corpos; hipótese é de que o homem tenha atirado na mulher e se matado em seguida

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

04 Janeiro 2018 | 09h47

SOROCABA - Um casal de escreventes judiciários foi encontrado morto a tiros no quarto de casa, nesta quarta-feira, 3, em Sorocaba, interior de São Paulo. 

Junior, de 48 anos, estava caído sobre o da namorada dele, Simone Lanzoni, de 46, na cama do casal. Ambos tinham uma perfuração na cabeça, produzida por arma de fogo. A Polícia Civil encontrou um revólver calibre 38 próximo dos corpos. A hipótese é de que o homem tenha atirado na mulher e se matado em seguida, mas os policiais não descartam outras linhas de investigação. 

Os corpos foram encontrados pela filha de José Júlio, que se dirigiu à casa onde o pai vivia com a namorada, no bairro Santa Terezinha, na região central da cidade, após estranhar que eles não estavam em contato. Testemunhas relataram terem ouvido uma briga entre o casal durante a madrugada.

Também disseram ter ouvido sons semelhantes aos de tiros, mas acharam que podiam ser fogos de artifícios, comuns nesta época. A perícia feita pela Polícia Civil não encontrou sinais de luta no quarto em que estavam os corpos, vestidos com roupas íntimas.

Vizinhos e amigos ficaram chocados com as mortes. O casal trabalhava em cartórios judiciais, no fórum da cidade, e era bastante conhecido em seu meio. Além da filha que encontrou os corpos, José Júlio tinha outro filho. A família dele não se manifestou sobre a tragédia. Simone tinha uma filha e dois filhos de outro casamento.

Em rede social, a jovem publicou uma mensagem sobre a morte: “Mais uma mulher, a minha mãe. E ninguém teve a chance de se despedir.” Por haver indícios de feminicídio, a investigação será  feita pela Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Sorocaba.

Mais conteúdo sobre:
Sorocaba [SP] homicídio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.