Casa do historiador Boris Fausto também é tombada no Butantã

Decisão contrariou professor da USP: 'Há 40 anos, cuido desse imóvel, mas não recebo em troca nenhum apoio do governo'

O Estado de S.Paulo

01 de fevereiro de 2012 | 03h04

Ainda na reunião de ontem, o Conpresp tombou a residência do historiador e professor aposentado do Departamento de Ciência Política da USP Boris Fausto. O imóvel fica na Rua Gaspar Moreira, no Butantã, zona oeste.

Mas, assim como ocorre com a maioria dos proprietários de imóveis tombados em São Paulo, o próprio historiador não ficou feliz com a decisão.

"Eu não poderia ser contra o princípio do tombamento, mas me sinto lesado pelo poder público", disse Fausto. "Não pedi o processo de tombamento. Soube de repente, porque apareceu no IPTU. Ninguém ouviu minha opinião. Há 40 anos, cuido desse imóvel, mas não recebo em troca nenhum apoio do governo, nenhuma verba, nenhum incentivo. O resultado dessa política você vê pela cidade, com inúmeros casarões históricos abandonados. Em São Paulo, o fato de um imóvel ser tombado não causa uma valorização, mas sim um problema para o proprietário." / R.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.