Casa atingida por cratera do metrô é furtada, diz rádio

Bens da residência não tinham sido retirados porque ainda não foi paga a desapropriação do imóvel

14 de janeiro de 2008 | 12h11

Duas casas localizadas na região afetada pela cratera aberta pelo desabamento das obras da futura Estação Pinheiros de metrô, zona oeste paulistana, foram arrombadas, segundo a Rádio CBN. Vizinhos teriam visto homens caminhando sobre o telhado de outras residências da área.   As residências em questão são da mãe e da sogra de Valquíria Rossi, que foi ao local neste sábado, 12, um ano depois do acidente. Em entrevista concedida à reportagem da rádio, ela disse que só a antiga residência de sua sogra é que foi furtada. "Foi mais uma surpresa, um ano após o acidente. Levaram televisores, microondas e jóias da casa da minha sogra. Isso sem contar que está tudo revirado lá dentro", disse Valquíria. "Minha sogra nem sabe do que aconteceu. Se souber, vai ser mais um golpe para ela", afirmou.   De acordo com Valquíria, os bens da residência de sua sogra não tinham sido retirados porque ainda não foi paga a desapropriação do imóvel. Sua sogra, a aposentada Maria Rossi, está na casa de um filho, após morar dois meses em um hotel.   Sete pessoas morreram no desabamento, mas até agora não foram esclarecidas as causas da tragédia. O laudo pericial deve atrasar pelo menos cinco meses, conforme informações do Ministério Público, que acompanha as investigações.

Tudo o que sabemos sobre:
MetrôObrasEstação PinheirosCratera

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.