Cartunistas brasileiros lamentam a morte de Glauco

 A morte de Glauco Villas-Boas, cartunista desde a década de 70, marca o fim de uma carreira acompanhada por muitos, que durante décadas influenciou cartunistas, chargistas e ilustradores de todo o País.

12 Março 2010 | 11h07

 

Descrito como irreverente e dono de um humor refinado e inabalável, Glauco criou personagens emblemáticos como Geraldão, um solteirão de 30 anos que ainda mora com a mãe, Netão, criado especialmente para a Internet, Ficadinha, uma adolescente dos dias de hoje, adepta das “ficadas” e do sexo casual, entre tantos outros.

 

Os traços do desenhista são muito marcantes e autorais.  O cartunista gaúcho Adão Iturrusgarai comenta que “é quase uma caligrafia, uma assinatura”, tamanha originalidade das ilustrações de Glauco.

 

Glauco integrou, junto de Angeli e Larte (e mais tarde com Adão), o grupo Los Três Amigos, que contava histórias de três personagens, caricaturas dos próprios autores, geralmente ambientadas no México.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.